Prefixados já embutem alta da Selic em janeiro

Decisão do Copom tem pouco impacto sobre os investimentos, que já reagem de olho no próximo encontro

Yolanda Fordelone, do Economia & Negócios,

08 de dezembro de 2010 | 20h06

A manutenção da taxa básica de juros (Selic) na última reunião do ano doComitê de Política Monetária (Copom) em 10,75% ao ano tem pouco impactosobre os investimentos, que, segundo especialistas, já estão sendoinfluenciados pela expectativa do próximo encontro, em 18 e 19de janeiro, quando efetivamente pode haver uma mudança da taxa.

"A inflação dos últimos 15, 20 dias é sazonal por conta do Natal eera natural que o Banco Central não visse isso como uma tendência parasubir o juro neste momento", diz o professor da Brazilian BusinessSchool, Ricardo Torres. "Os números da inflação são altos e o BancoCentral já deixou claro que vai perseguir a sua meta em 2011", diz odiretor da Título Corretora, Márcio Martins Cardoso.

A inflação deoutubro e do começo de novembro e a expectativa de alta do juro napróxima reunião, diz Torres, já haviam sido embutidas nos juros pagospelos títulos públicos. Os papéis prefixados LTN negociados no TesouroDireto com vencimento em julho de 2011, por exemplo, tiveram o juroaumentado em 0,59 ponto porcentual nos últimos 30 dias.

Os juros pagos pelos prefixados, dizem os especialistas, estãointeressantes neste momento, principalmente para os investidores queacreditam que o ciclo de alta do juro não será prolongado. Nosprefixados o juro chega a 12,40% ao ano. Nos títulos de inflação, arentabilidade está próxima a 6% ao ano mais variação do IPCA.

Mas, parte dos especialistas, acredita que o investidor pode esperarmais um pouco para comprar os títulos prefixados. "Após a alta da Selic,o juro do prefixado estará ainda mais alto, porque sempreembute um prêmio", diz Cardoso.

Entre os fundos conservadores, que compram os títulos públicos, oimpacto também será pequeno. A rentabilidade daqueles que a carteirapossui títulos pós-fixados tende a subir nos próximos meses por conta daalta que o juro pode ter no começo do ano. Os prefixados devemaproveitar a alta do juro que os papéis tiveram e do aumento da taxa nostítulos prefixados que ocorreu no mês passado. O único ressalve aoinvestidor é que ele fique atento à taxa de administração paga no fundo,que pode ser elevada para pequenas quantias.

Bolsa de Valores

O movimento do mercado acionário devido às ações do Banco Central sedeve mais ao anúncio do aumento dos depósitos compulsórios do que àreunião do Copom, diz o diretor de operações da iCash Investimentos,Salomão Santos.

Segundo ele, o anúncio feito na semana passada surpreendeu o mercadoque começou a vender ações de algumas empresas que podem ser afetadaspelas medidas de restrição ao crédito. "As ações da Localiza por exemplocaíram bastante nos últimos dias porque a empresa vende automóveisseminovos", explica. "A bolsa está meio de lado. Não vai ter grandesimpactos do Copom."

As quedas da Bolsa em alguns pregões nos últimos dias são vistas comoum movimento natural. "No fim do ano os investidores fazem um ajuste nacarteira", diz Cardoso, da Título.

Tudo o que sabemos sobre:
juroCopominvestimentorenda fixa

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.