Rafael Neddermeyeri/Fotos públicas
Rafael Neddermeyeri/Fotos públicas

Proporção de famílias com dívidas cai para 58,6% em junho, aponta CNC

Queda no porcentual de famílias com dívidas foi acompanhada de recuo na inadimplência, que passou de 24,2% em maio para 23,7% em junho

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

05 Julho 2018 | 11h59

RIO - A quantidade de famílias com dívidas recuou em junho ante maio, na terceira queda seguida, conforme a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic), divulgada nesta quinta-feira, 5, pela Confederação Nacional do Comércio de Bens, Serviços e Turismo (CNC). 

+ Trabalhador pode transferir conta salário para fintech; entenda

+ Bancos vão oferecer crédito pessoal como alternativa ao cheque especial

O porcentual de famílias com dívidas foi de 58,6% dos entrevistados em junho, ante 59,1% em maio. Houve redução também na comparação com junho de 2017, quando o indicador alcançou 59,4% do total de famílias. 

+ Novas regras no cheque especial e conta-salário podem aliviar o bolso

A proporção das famílias que se declararam muito endividadas diminuiu em relação a maio, passando de 13,4% para 13,0% do total de famílias entrevistadas. Na comparação anual, a queda foi de 1,4 ponto porcentual. 

A queda no porcentual de famílias com dívidas foi acompanhada de recuo na inadimplência. A proporção das famílias com dívidas ou contas em atraso passou de 24,2% em maio para 23,7% em junho. Na comparação anual, houve redução de 1,9 ponto porcentual. 

+ Projeto congela salário de servidores

A proporção de famílias que declararam não ter condições de pagar as contas ou dívidas em atraso - o que, segundo a CNC, indica que seguirão inadimplentes -, passou de 9,9% em maio para 9,4% em junho. Em junho de 2017, esse porcentual estava em 10,1%. 

O tempo médio de atraso para o pagamento de dívidas foi de 63,6 dias em junho, ante 62,8 dias em igual período do ano passado. Em média, o comprometimento com as dívidas foi de 7,2 meses, sendo que 32,9% das famílias possuem dívidas por mais de um ano. "Entre aquelas endividadas, 20,2% afirmam ter mais da metade da sua renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas", diz a nota divulgada pela CNC. 

Para a entidade, a redução do endividamento acompanha o ritmo menor no consumo das famílias. "Há também uma cautela maior na contratação de novos empréstimos e financiamentos", diz a nota. 

Os dados da Peic de junho mostram que o cartão de crédito continua sendo o principal tipo de dívida, apontado por 76,3% das famílias entrevistadas. Em seguida, vêm os carnês (15,2%) e, em terceiro lugar, o financiamento de carro (11,2%). 

A Pesquisa Nacional de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (Peic Nacional) é apurada mensalmente pela CNC desde janeiro de 2010. Os dados são coletados em todas as capitais dos Estados e no Distrito Federal, com cerca de 18 mil consumidores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.