Renda fixa bate a Bolsa no primeiro semestre

 Durante os primeiros seis meses do ano, apenas o dólar e a Bovespa perderam da inflação medida pelo IGP-M

Yolanda Fordelone, do Economia & Negócios,

29 de junho de 2011 | 19h02

O primeiro semestre de 2011 se mostrou mais vantajoso para os investidores que têm perfil conservador. Os investimentos em renda fixa bateram de longe os mercados cambial e acionário, que acumulam perdas entre 6% e 10% no ano. O mês de junho só ajudou a aprofundar a queda. A Bolsa de Valores de São Paulo recuou 9,96% no primeiro semestre, enquanto os fundos de renda fixa e DI subiram 4,61% e 4,36%, repectivamente.

Os fundos DI possuem a maior parte da carteira concentrada em papéis pós-fixados, que acompanham a variação do juro básico (Selic), atualmente em tendência de alta. "Os títulos pós-fixados são indicados para investidores mais conservadores, que não querem correr o risco de ganhar menos que a Selic", explica o professor de economia e finanças do Insper, Rafael Paschoarelli.

"Em julho, o rendimento bruto será na faixa de 0,70 a 1,05%", calcula o administrador de carteira, Fábio Colombo.  Vale lembrar que no caso de fundos é importante buscar aplicações com baixas taxas de administração, para que a tarifa não corroa a rentabilidade.

Os fundos de renda fixa, que possuem boa parte da carteira em títulos prefixados, em junho tiveram alta inferior a dos fundos DI devido à alta dos juros futuros ao longo do mês.

Bolsa

A queda da Bovespa foi ocasionada principalmente pela conjuntura global, destacam especialistas. "Dados de atividade, vendas e produção estão desacelerando, em especial nos EUA. Além disso, o endividamento dos países europeus, principalmente da Grécia, preocupa", afirma o diretor da corretora Ativa, Álvaro Bandeira. Levando em conta apenas o mês de junho, a Bovespa perdeu 3,43%.

No início do ano, analistas apontavam que o primeiro semestre seria um período de volatilidade na renda variável, mas estavam mais otimistas quanto ao segundo. Bandeira lembra que as casas calculavam que o Ibovespa fechar 2011 aos 80 mil pontos, em média. "Não estamos mais tão otimistas, acreditamos em uma pontuação de até 74 mil pontos, mas que já garantiria um bom ganho ao investidor", diz.

Para a seleção de papéis que podem estar com um valor atrativo, o professor do Insper sugere que o investidor observe dois indicadores econômicos. "O preço-lucro é calculado pelo lucro da empresa por ação dividido pelo preço no mercado. Algumas ações estão com um número abaixo de 10." A segunda sugestão é comparar  o valor de mercado da empresa com o valor patrimonial. É interessante quando o valor de mercado está abaixo do valor patrimonial.

Câmbio

Por conta do cenário global, todos os mercados de riscos não tiveram bom desempenho em junho. E isso inclui o dólar, que caiu 6,19% no semestre. Na sessão de ontem, a moeda americana perdeu 1,14%, para R$ 1,61 e atingiu o seu menor patamar dos últimos 12 anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.