Roubo de veículos cresce 50% no Rio de Janeiro

Como consequência, as indenizações feitas pelas seguradoras subiram e, assim, o preço dos seguros foi revisto para cima, na média, em 20% no mesmo período

Antonio Penteado Mendonça, O Estado de S.Paulo

12 Junho 2017 | 05h00

Nos dias 6, 7 e 8 de outubro acontece no Palácio das Convenções do Anhembi o XVII Conec – Congresso Estadual dos Corretores de Seguros de São Paulo. Sem dúvida o maior evento do setor, o Congresso, realizado pelo Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de São Paulo, deve receber milhares de pessoas, a maioria corretores de seguros, que desejam se inteirar do que acontece no setor e, principalmente, quais as tendências e expectativas.

Com uma agenda densa, com palestrantes de política, economia, desenvolvimento pessoal, além da participação de profissionais do setor, o Congresso deve promover importante troca de informações, indispensáveis para se entender o momento brasileiro e planejar os próximos passos, tanto no curto, como no médio prazo.

Como dizia o velho político: “O Brasil é para profissionais”. E se era algumas décadas atrás, o que dizer dos dias de hoje, com uma sociedade mais complexa e sofisticada?

Num mundo extremamente rápido, com as fronteiras deixadas para trás pela Internet e pelas redes sociais, a tomada de decisões exige conhecimento, velocidade e pilares éticos sobre os quase construir as redes de negócios.

Com o País devastado pelas ações desastradas, incompetentes e corruptas dos últimos governantes, saber o que está acontecendo já é muito e planejar para onde ir pode ser o diferencial entre o sucesso e o fracasso logo após a retomada do crescimento.

Entender a complexidade da vida nacional é fundamental para planejar com sucesso os próximos passos, ainda dentro de um cenário opaco, que lentamente começa a clarear. O XVII Conec oferece uma oportunidade única para os profissionais da área conhecerem as opiniões e análises de alguns dos maiores especialistas em política.

Além deles, alguns dos grandes nomes das ações para desenvolvimento pessoal devem participar do Congresso, trazendo conhecimento, experiência e técnicas para que o corretor tenha ferramental indispensável para a motivação própria e das equipes.

Mas o Conec deste ano oferece mais: além dos inúmeros painéis para a discussão dos temas mais quentes do setor, todos compostos por profissionais e líderes reconhecidos nacionalmente, haverá ainda um inédito painel com a participação de políticos no exercício de cargos nos diferentes níveis de poder. A ideia é que eles apresentem suas visões sobre o setor e quais suas sugestões para uma cooperação mais próxima do que a atual entre o mundo dos seguros e o mundo político, sabidamente pouco afeito a temas de setor.

Com mais de 4 mil participantes, entre eles representantes de praticamente todas as seguradoras em operação no Brasil, o Conec oferece, além das palestras e mesas de discussões, a feira de seguros, espaço ideal para estreitar relações, fazer novos contatos e consolidar o network dos corretores de seguros que participarão do evento.

Nos estandes das seguradoras, os participantes terão oportunidade de, ao mesmo tempo em que se divertem, conhecerem os produtos oferecidos e, principalmente, as pessoas por trás do dia a dia das companhias, ou seja, ver a cara de quem assina os e-mails que fazem o negócio girar. No Conec, as pessoas adquirem vida, se materializam, olham nos olhos, expõem pontos de vista, discutem posições, explicam ações e procedimentos, perguntam, divergem, enfim, interagem, como se espera que o façam pessoas civilizadas.

Esse relacionamento não tem preço, nem pode ser substituído por nenhuma outra forma de contato humano. Se as palestras e debates são fundamentais para dar ao corretor o desenho dos diferentes cenários que compõem a realidade brasileira, é o contato pessoal, a troca de impressões, o estreitamento das relações que faz o carro seguir. Por mais digitalizado, automatizado e impessoal que o mundo esteja, ainda é o contato entre as pessoas que faz a diferença. Se não houvesse mais nada, a possibilidade de conhecer e encontrar gente seria suficiente para justificar o Conec.

Nos dias 6, 7 e 8 de outubro acontece no Palácio das Convenções do Anhembi o XVII Conec – Congresso Estadual dos Corretores de Seguros de São Paulo. Sem dúvida o maior evento do setor, o Congresso, realizado pelo Sindicato dos Corretores de Seguros do Estado de São Paulo, deve receber milhares de pessoas, a maioria corretores de seguros, que desejam se inteirar do que acontece no setor e, principalmente, quais as tendências e expectativas.

Com uma agenda densa, com palestrantes de política, economia, desenvolvimento pessoal, além da participação de profissionais do setor, o Congresso deve promover importante troca de informações, indispensáveis para se entender o momento brasileiro e planejar os próximos passos, tanto no curto, como no médio prazo.

Como dizia o velho político: “O Brasil é para profissionais”. E se era algumas décadas atrás, o que dizer dos dias de hoje, com uma sociedade mais complexa e sofisticada?

Num mundo extremamente rápido, com as fronteiras deixadas para trás pela Internet e pelas redes sociais, a tomada de decisões exige conhecimento, velocidade e pilares éticos sobre os quase construir as redes de negócios.

Com o País devastado pelas ações desastradas, incompetentes e corruptas dos últimos governantes, saber o que está acontecendo já é muito e planejar para onde ir pode ser o diferencial entre o sucesso e o fracasso logo após a retomada do crescimento.

Entender a complexidade da vida nacional é fundamental para planejar com sucesso os próximos passos, ainda dentro de um cenário opaco, que lentamente começa a clarear. O XVII Conec oferece uma oportunidade única para os profissionais da área conhecerem as opiniões e análises de alguns dos maiores especialistas em política.

Além deles, alguns dos grandes nomes das ações para desenvolvimento pessoal devem participar do Congresso, trazendo conhecimento, experiência e técnicas para que o corretor tenha ferramental indispensável para a motivação própria e das equipes.

Mas o Conec deste ano oferece mais: além dos inúmeros painéis para a discussão dos temas mais quentes do setor, todos compostos por profissionais e líderes reconhecidos nacionalmente, haverá ainda um inédito painel com a participação de políticos no exercício de cargos nos diferentes níveis de poder. A ideia é que eles apresentem suas visões sobre o setor e quais suas sugestões para uma cooperação mais próxima do que a atual entre o mundo dos seguros e o mundo político, sabidamente pouco afeito a temas de setor.

Com mais de 4 mil participantes, entre eles representantes de praticamente todas as seguradoras em operação no Brasil, o Conec oferece, além das palestras e mesas de discussões, a feira de seguros, espaço ideal para estreitar relações, fazer novos contatos e consolidar o network dos corretores de seguros que participarão do evento.

Nos estandes das seguradoras, os participantes terão oportunidade de, ao mesmo tempo em que se divertem, conhecerem os produtos oferecidos e, principalmente, as pessoas por trás do dia a dia das companhias, ou seja, ver a cara de quem assina os e-mails que fazem o negócio girar. No Conec, as pessoas adquirem vida, se materializam, olham nos olhos, expõem pontos de vista, discutem posições, explicam ações e procedimentos, perguntam, divergem, enfim, interagem, como se espera que o façam pessoas civilizadas.

Esse relacionamento não tem preço, nem pode ser substituído por nenhuma outra forma de contato humano. Se as palestras e debates são fundamentais para dar ao corretor o desenho dos diferentes cenários que compõem a realidade brasileira, é o contato pessoal, a troca de impressões, o estreitamento das relações que faz o carro seguir. Por mais digitalizado, automatizado e impessoal que o mundo esteja, ainda é o contato entre as pessoas que faz a diferença. Se não houvesse mais nada, a possibilidade de conhecer e encontrar gente seria suficiente para justificar o Conec.

Mais conteúdo sobre:
Brasil Internet

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.