Estadão
Estadão

Saiba como usar o 13º salário para renegociar dívidas ou investir

Abater ou quitar dívidas deve ser a primeira decisão ao receber a primeira parcela, apontam especialistas

Talita Nascimento e Marina Dayrell, especiais para o Estado

27 de novembro de 2018 | 18h16

Até dezembro, o pagamento do 13º salário deve injetar na economia brasileira mais de R$ 211,2 bilhões, de acordo com Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese). Com a chegada da remuneração às contas bancárias, muitos brasileiros enxergam no dinheiro extra uma oportunidade para renegociar o que devem.

Segundo uma pesquisa da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas e do SPC Brasil, 17% dos trabalhadores pretendem usar a remuneração para pagar dívidas em atraso. Mas na hora de negociar com os credores e conseguir bons descontos, é preciso tomar algumas precauções.

Até o final de 2018, cerca de 84,5 milhões de brasileiros receberão o décimo terceiro, segundo o Dieese. Para o professor de Finanças da Fundação Getúlio Vargas (FGV-SP) Fábio Gallo, o momento é propício tanto para as empresas quanto para quem quer renegociar as dívidas.

"Os credores estão propensos à negociação para que o nome da pessoa esteja limpo a tempo de conseguir fazer compras. Por outro lado, com o décimo terceiro na mão, a pessoa tem uma chance de ter um valor inicial maior para poder negociar".

Em setembro, 62,4 milhões de brasileiros estavam inadimplentes, segundo a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas. O equivalente a 40% da população adulta acima de 18 anos.

Para saber como administrar o décimo terceiro sem ceder a impulsos de compra ou tomar decisões financeiras equivocadas, o Estado separou dicas de três especialistas em planejamento: Luiz Correa (da Planejar), Michael Viriato, coordenador do Laboratório de Finanças do Insper; e Fabio Gallo, da Fundação Getúlio Vargas.

Para quem está endividado

O professor de Finanças Fábio Gallo destaca que o primeiro passo para renegociar uma dívida é saber exatamente o valor devido. "Por incrível que pareça, tem muita gente que não sabe quanto deve", aponta.

Para isso, é preciso procurar o credor e pedir a discriminação da dívida por escrito. "Esse papel explica o motivo pelo qual a pessoa deve, o valor dos juros e a quantia principal, além de ter uma condição legal".

Gallo aconselha ser bastante cauteloso para conferir os valores apresentados pelo credor. Caso o devedor não conheça o suficiente de matemática financeira para refazer as contas, o professor recomenda a ajuda de especialistas, como consultores e planejadores financeiros ou, até mesmo, de órgãos públicos como o Procon.

"Muitas vezes, os cálculos podem estar errados, propositalmente ou não. Além do famoso SCC - o se colar, colou. Então, confira os valores".

Com as contas certas, o próximo passo é analisar e definir o quanto o devedor pode pagar. Essa estratégia é válida não somente para ajudar a definir um valor para a negociação, mas também para que a pessoa que vai renegociar consiga quitar as dívidas e não acabe contraindo mais despesas.

Passo a passo para pagar a dívida

- Pague primeiro as dívidas mais caras. As dívidas que envolvem grandes quantias também cobram mais juros, quanto antes o consumidor abatê-las, menos dinheiro vai gastar.

- Atenção para as dívidas do cartão de crédito, ainda que não sejam o maior montante, os juros costumam ser os mais altos e, portanto, as dívidas se tornam mais caras

- Não deixe de amortizar dívidas altas porque o valor do décimo terceiro não é suficiente para abatê-las. Dificilmente algum investimento vai render acima dos juros desse débito.

- Use o décimo terceiro como instrumento de negociação. Não aceite qualquer proposta, invista em tempo para encontrar condições melhores.

- Cuidado com a antecipação de parcelas de financiamentos, ou mesmo de aluguéis, essas negociações só compensam se o credor diminuir consideravelmente os juros. Nesse caso, é preciso fazer contas e não se deixar levar pela ansiedade de se livrar do compromisso das parcelas

- Se o décimo terceiro for a sua única reserva, às vezes é melhor guardá-lo para emergências em vez de pagar uma parcela antecipada.

Para quem quer guardar dinheiro

- Dinheiro reservado para emergências podem ser investidos com liquidez diária, do tipo que o investidor pode reaver seu dinheiro em até um dia.

- Mesmo em uma situação de desemprego, uma liquidez de 30 dias é suficiente para resgatar investimentos. A dica aqui é ter a quantia de até 6 meses de seus custos guardados em títulos desse tipo.

- Diversifique seus investimentos sempre que possível. Em razão do valor recebido no décimo terceiro, muitas vezes não é possível fugir do Tesouro Direto, mas vale lembrar que algumas corretoras reduziram os aportes para alguns investimentos no mês de novembro.

Para quem quer assumir riscos maiores

- Não comece com grandes quantias. Para se adaptar, é preciso se educar com valores menores

-Entenda que o tempo e a paciência são fundamentais para conseguir bons resultados, e não se desespere com as primeiras perdas

- Fundos multimercados são a primeira indicação dos especialistas, eles envolvem riscos moderados e não exigem alto conhecimento no mercado

- Fundos de ações são um segundo passo. Antes de se arriscar sozinho no mercado de ações, essa pode ser uma oportunidade para aprender mais. Lembrando que se o investidor não tiver conhecimento ou tempo, os planejadores indicam seguir nos fundos.

Quem recebe o décimo terceiro?

Tem direito a receber a remuneração todos os trabalhadores com carteira assinada, inclusive os empregados domésticos, os beneficiários da Previdência Social e aposentados, os beneficiários de pensão da União dos Estados e dos municípios. A partir de 15 dias trabalhados, o brasileiro ganha o direito de receber a gratificação.

Já os estagiários não têm direito ao décimo terceiro. Por não serem considerados empregados e estarem enquadrados na Lei do Estágio, essa modalidade trabalhista não possui os mesmos direitos dos trabalhadores enquadrados na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT).

Como é feito o cálculo do décimo terceiro?

A lei garante que a quantia recebida pelo trabalhador corresponda a um doze avos do salário mensal. Em suma, o brasileiro que tiver direito ao décimo terceiro, receberá um salário extra ao fim de cada ano.

É importante lembrar que o valor recebido será proporcional ao número de meses trabalhados em 2018. O salário integral do trabalhador é dividido por doze e o resultado é multiplicado pelo número de meses trabalhados. Outras gratificações, como horas extras, adicionais noturno e de insalubridade também são adicionados ao cálculo.

Quando é o pagamento da primeira parcela do décimo terceiro?

A gratificação é dividida em duas parcelas. A primeira delas, de acordo com a Lei 4.749, de 12 de agosto de 1965, deverá ser paga entre o dia 1º de fevereiro e o dia 30 de novembro. O restante será pago em uma segunda parcela até o dia 20 de dezembro.

O trabalhador também pode antecipar o pagamento e receber a primeira parcela junto com as férias. Para isso, é preciso que o funcionário faça o pedido junto à empresa no mês de janeiro.

Para Entender

Candidatos podem receber doações pela internet?

A "vaquinha virtual" ou crowdfunding foi regulamentada pela minirreforma de 2015. Desde então, eleitores brasileiros podem contribuir com campanhas eleitorais, desde que respeitem os limites fixados pelo TSE.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.