Estadão
Estadão

Só um terço dos brasileiros planeja sua aposentadoria

De acordo com pesquisa do SPC Brasil, seis em cada dez brasileiros contam apenas com a previdência pública

O Estado de S.Paulo

05 Julho 2016 | 12h09

Com as contas sem fechar na Previdência Social, o governo de Michel Temer tenta negociar com as centrais sindicais regras mais duras para aposentadoria. Apesar do cenário incerto, seis em cada dez brasileiros ainda contam exclusivamente com a aposentadoria pública. De acordo com uma pesquisa realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), só 31,1% se preparam para a aposentadoria, excluindo a contribuição para o INSS.

Os motivos mais citados entre os que não se preparam são a falta de recursos financeiros para este fim (32,7%) e o desconhecimento de como começar a poupar (19,6%).

As consequências da falta de preparação são conhecidas. Para 38,8% dos entrevistados, quem não se prepara para a aposentadoria provavelmente terá um padrão de vida inferior ao atual. Já para 26,7%, a principal consequência é o fato de não poder viver tranquilamente na terceira idade e 13,8% citaram não poder parar de trabalhar.

Para não sentir tais efeitos, a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti, afira que é recomendável fazer uma reserva extra exclusiva para este fim. “Em grande parte dos casos, a aposentadoria pública tem um valor muito menor do que o valor recebido enquanto se trabalha. Além disso, por conta do ajuste fiscal, é possível que haja mudanças de regras daqui para a frente, o que implica em aposentadoria com idade maior que a atual ou até mesmo em se aposentar com um valor menor”, explica, em nota, a economista.

Planejamento. O levantamento mostra que 74,1% dos entrevistados contribuem atualmente para o INSS, seja por meio da empresa em que trabalha ou como autônomo. Para os que vão além da contribuição à Previdência Social, a poupança é a principal forma de reserva (19,2%). Na sequência vêm a previdência privada (6,2%) e os investimentos em imóveis (6,1%). 

Para 63,4% dos que se preparam, a frequência com que estes investimentos ou reservas são feitas é mensal e o valor médio mensal corresponde a R$ 258 e esta reserva vem sendo feito há oito anos em média.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.