Imagem Fábio Gallo
Colunista
Fábio Gallo
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Tenha equilíbrio entre o risco e o retorno

Investir no mercado tem custos: são cobrados os valores de corretagem, custódia e emolumentos

Fábio Gallo, O Estado de S.Paulo

25 de fevereiro de 2019 | 05h00

Quero começar a investir e estou entusiasmado em comprar ações. Mas tenho pouco dinheiro. É possível comprar uma única ação, por exemplo?

Não existe um número mínimo para a compra de ações. Em tese você pode comprar a quantidade que quiser, inclusive uma única. Por outro lado, a B3 negocia ativos em múltiplo do lote com 10, 100, 1.000 etc. Mas, investir no mercado tem custos, assim, não há sentido em você, por exemplo, pagar R$ 5,00 por uma ação e gastar R$10,00 em taxas. São cobrados os valores de corretagem, custódia e emolumentos. A corretagem é fixa ou porcentagem do valor, cobrada pelas corretoras pelo trabalho de compra e venda. Há corretora que não cobra a taxa. A custódia é mensal e cobre os gastos junto à B3. Os emolumentos são taxas fixas cobradas pela B3 por transação. Para pessoas físicas a taxa é de 0,031532% e, para fundos e clubes de investimentos, é de 0,024032%. Você pode investir em ações criando sua própria carteira, aplicando num fundo de investimentos em ações, aplicando em ETFs (Exchange Traded Funds), que são fundos que espelham índices, por exemplo o BOV11 que é uma espécie de pacote de ações que compõe o Ibovespa. Você pode, também, aplicar em Clubes de Investimentos que são grupos de 3 a 50 participantes pessoas físicas que investem em conjunto aplicando no mínimo 67% em renda variável. Esses clubes são especialmente interessantes para quem tem poucos recursos para investir e os custos são diluídos entre os participantes. A dica é antes de você se aventurar nesse mercado é buscar mais conhecimento sobre investimentos e particularmente sobre renda variável. Há muito material interessante nos sites da B3, além de cursos gratuitos no site da CVM e da FGV. Lembre-se que o importante em investimentos é o equilíbrio entre risco e retorno.

Tenho 62 anos, mas há muito tempo um patrão não pagou o meu INSS e, por isso, vou completar meu período e contribuição em 2021. Como ficaria meu caso com essa reforma?

As novas regras da Previdência ainda terão que ser aprovadas pelo Congresso e por se tratar de um Projeto de Emenda Constitucional (PEC) ainda teremos que aguardar um tempo até termos conhecimento dessas regras em definitivo. Examinando a proposta do governo federal, particularmente no artigo 22 do capitulo V, que trata da aposentadoria por idade, há dois requisitos cumulativos: (a) idade de 60 anos para as mulheres e 65 anos para os homens; (b) 15 anos de contribuição. Mas a partir de do dia 1 de janeiro de 2020, para as mulheres, haverá acréscimo de seis meses a cada ano no requisito de idade, atingindo a 62 anos para a aposentadoria em 2023. Para ambos os sexos o tempo de contribuição, também a partir de 2020, será acrescido de seis meses a cada ano até atingir 20 anos. A minha interpretação disso é que, no seu caso, haverá o acréscimo de seis meses de contribuições. Isso porque ao final de 2020 o tempo mínimo será de 15,5 anos e ainda em 2021 você cumprirá os requisitos para pedir a sua aposentadoria. Esta é uma situação injusta porque você já teria atingido todas as exigências para obter a sua aposentadoria, mas infelizmente o seu caso é de muitos outros trabalhadores que não conseguem comprovar o tempo de contribuição pela má fé de algumas empresas que operam por aqui. No entanto, o governo ainda terá um longo caminho pela frente para aprovar a nova lei e, muito provavelmente, haverá mudanças naquilo que está sendo proposto.

Tudo o que sabemos sobre:
investimento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.