Maira Vieira/Estadão
Maira Vieira/Estadão

‘Troca com troco’ de veículo aumenta em meio à crise, mas deságio é risco

Ao trocar de carro para sair com dinheiro em mãos, consumidor também deve ficar atento às condições e taxas de juros do novo financiamento

Natália Cacioli, O Estado de S. Paulo

25 de julho de 2016 | 05h00

Em tempos de restrição de crédito e aperto no orçamento, trocar de carro e ainda sair com dinheiro no bolso pode parecer uma oferta vantajosa, ainda mais por causa das taxas de juros mais baixas do que as praticadas no empréstimo pessoal. A modalidade, chamada de “troca com troco”, ganha apelo com a crise, mas exige atenção na hora de fechar o negócio para que o consumidor não faça um mau negócio.

No Banco do Brasil, por exemplo, o saldo da carteira da modalidade “troca com troco” registrou crescimento de 18% ao fim do primeiro semestre de 2016 em relação ao mesmo período de 2015. O valor médio contratado foi de R$ 40 mil. A proposta é trocar o carro atual por outro mais barato e, assim, sair com dinheiro no bolso.

No entanto, o caminho não é tão simples: segundo um levantamento da Proteste, associação de defesa dos direitos do consumidor, o primeiro problema está na subavaliação do veículo oferecido na troca.

Anonimamente, a entidade visitou quatro concessionárias e duas revendedoras, com um carro cujo valor de mercado é de R$ 28.095, segundo a tabela Fipe. As ofertas das empresas, porém, ficaram de R$ 3 mil a R$ 6 mil abaixo do preço de tabela.

Além do deságio, as concessionárias ofereceram veículos novos ou seminovos na troca, com valor superior ou equivalente ao do oferecido. Para que o negócio seja vantajoso para o bolso, o ideal é adquirir um veículo mais em conta. 

“O problema no caso da ‘troca com troco’ é que seu carro será comprado com um grande deságio, e isso pode anular qualquer vantagem que você teria com uma taxa mais baixa de juros no novo financiamento”, alerta o educador financeiro Rafael Seabra.

Por isso, o consumidor deve pesquisar outras opções. “Se a pessoa não pode abrir mão do carro de jeito nenhum, a melhor opção é vender o atual para particular e comprar outro mais barato para não perder dinheiro na avaliação”, afirma Renata Pedro, técnica da Proteste responsável pela pesquisa. Nesse caso, o carro comprado também pode ser financiado com taxas de juros similares às praticadas na “troca com troco”, que variam em torno de 30% ao ano.

Para Renata, no entanto, a primeira opção que deve ser considerada é vender o carro para quitar as dívidas e usar o transporte público. “A ‘troca com troco’ é tentadora por causa dos custos mais baixos, porém a pessoa está contratando um novo empréstimo, que pode virar uma bola de neve sem organização financeira”, diz a técnica.

Na pesquisa da Proteste, as taxas de juros de um financiamento de 48 prestações variaram de 24,6% a 41% ao ano. Ao mesmo tempo, segundo dados da Anefac, os juros cobrados na modalidade de empréstimo pessoal chegam a ser cinco vezes maiores do que os praticados no financiamento de veículos.

No entanto, a troca de dívida pode ser a saída quando o consumidor corre risco de superendividamento, como é o caso das pendências no rotativo do cartão de crédito, cuja taxa de juros ultrapassa 400% ao ano.

Refinanciamento. Outra modalidade de crédito com juros mais baixos é o refinanciamento de veículos, que também tem registrado aumento na procura. Nesse caso, o cliente pode alienar novamente o veículo, desde que já quitado. No Banco do Brasil, que viu a carteira desse segmento crescer 21% no primeiro semestre, podem ser refinanciados veículos com até cinco anos de fabricação a uma taxa de juros que começa em 1,89% ao mês.

Essa opção tem sido procurada por quem precisa quitar dívidas com taxas de juros muitos altas e recebe apoio das instituições financeiras. “Os bancos estão buscando alternativas para tentar ajudar os clientes e o setor já pensa em ampliar a oferta de refinanciamento”, diz Nicola Tingas, assessor econômico da Associação Nacional das Instituições de Crédito, Financiamento e Investimento (Acrefi).

Qualquer que seja a modalidade contratada, o importante é pesquisar várias instituições financeiras e estar atento aos seus direitos. Segundo a técnica da Proteste, é comum bancos e financeiras não informarem o Custo Efetivo Total (CET), o que é obrigatório, e incluir todas as taxas e encargos da operação.

A contratação sem o pedido do consumidor do seguro prestamista, que quita parcelas em caso de desemprego, também deve ser observada.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.