Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Venda de automóveis ‘maduros’ avança 6,9%

Financiamento de modelos com 9 a 12 anos de uso foi o único segmento que cresceu no primeiro semestre, mostram dados Cetip

Malena Oliveira, O Estado de S.Paulo

29 de agosto de 2016 | 05h00

SÃO PAULO - Comodidade e menos tempo nos deslocamentos foram os motivos que levaram o analista de sistemas Vinicius Correia a trocar o ônibus pelo automóvel. Aos 23 anos, ele adquiriu em julho um veículo ano 2007, o seu primeiro carro.

Os financiamentos de automóveis com 9 a 12 anos de uso (modelos fabricados entre 2004 e 2007) fazem parte do único segmento que apresentou crescimento no primeiro semestre, segundo dados da Cetip.

A compra a prazo dos chamados “usados maduros” avançou 6,9% entre janeiro e junho deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. Nas demais faixas, as quedas foram de 30% para veículos novos, 11,2% para os seminovos (até três anos de fabricação), 6,4% para os usados jovens (quatro a oito anos), e 27,4% para automóveis com mais de 12 anos.

“O baixo nível de confiança do consumidor, o aumento do desemprego e a queda da renda são os fatores que explicam o recuo acentuado nos financiamentos no primeiro semestre”, diz Marcus Lavorato, gerente de Relações Institucionais da Cetip.

O recorde de vendas de automóveis em 2007 ajuda a entender o quadro. Como há um estoque grande desses veículos no mercado, eles puxaram o crescimento dos financiamentos na faixa dos 9 a 12 anos no primeiro semestre, diz Lavorato.

Presidente da Webmotors, maior site de venda de carros do País, Rodrigo Borer observa que a procura na plataforma é maior por seminovos, mas vê uma migração também em outras faixas. “O comprador do carro zero hoje compra um seminovo.”

O aparente custo menor dos veículos maduros em relação aos mais novos é o que mais atrai o consumidor. No entanto, é preciso ficar atento às condições e ao prazo do financiamento, além dos custos adicionais. Em geral, os juros para financiar carros mais antigos são maiores, assim como os gastos com a manutenção.

“A depender dos custos para comprar a prazo, abrir mão de itens de conforto e adquirir um carro mais novo pode valer mais à pena do que comprar um carro equipado mais antigo”, diz Vitor Meizikas, analista da consultoria Molicar. Por outro lado, ele afirma que a inadimplência é maior entre os compradores de automóveis mais novos.

O planejador certificado pelo Instituto Brasileiro de Certificação de Profissionais Financeiros (IBCPF) Daniel Chiavenato Mazza lembra que os consumidores costumam esquecer dos impostos e encargos da transação. E, além disso, ele recomenda a máxima de qualquer operação que envolva juros: economizar para dar a maior entrada possível.

Foi o que fez Correia. “Paguei a metade do valor na entrada e financiei o restante”, conta. Mesmo assim, ele teve de cortar gastos não essenciais para acomodar as parcelas no orçamento.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.