Patriani
Patriani

Soluções de imobiliária e advogado para o setor são contemplados

Empresa lança aplicativos para aproximar morador das rotinas de um condomínio; bacharel em direito atua na área de licenças ambientais de terrenos

Patricia Büll, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 07h06

O júri do Master Imobiliário premiou, na categoria Profissional, a Lello Imobiliária e Rodrigo Bicalho, do escritório Bicalho e Mollica Advogados por apresentarem soluções importantes para o setor. Bicalho atua no setor imobiliário contestando a exigência do Ministério Público de São Paulo (MPSP) de que terrenos contaminados – adquiridos por incorporadoras para novos empreendimentos – passem por uma remediação integral, chegando à situação original do solo e água, semelhante ao que ocorria antes da ocupação humana e formação das cidades.

“Meu papel é de convencimento, tanto dos integrantes do MPSP quanto de atores do direito imobiliário, de que o posicionamento do Ministério Público, além de ser ilegal, torna a recuperação inviável, pois os níveis pretendidos são inatingíveis na grande maioria dos casos, mesmo com muito investimento”, afirma o advogado, vencedor do prêmio Soluções Jurídicas.

Palestras, grupos de trabalho e artigos para revistas e jornais são alguns métodos utilizados por Bicalho nessa “cruzada”.

Ele lembra que a construção civil se expandiu para terrenos onde antes existiam indústrias e postos de gasolina, exemplos de construções que ao longo dos anos contaminaram o solo e águas subterrâneas. 

De acordo com o advogado, todo o procedimento de remediação ambiental desses espaços é feito pelo incorporador por meio de um gerenciamento ambiental perante a Cetesb, seguindo uma legislação bastante rigorosa.

De acordo com Bicalho, a lei brasileira é comparável aos procedimentos da agência ambiental americana e das práticas da Alemanha, França e Holanda.

“Caso a visão da promotoria prevaleça, as incorporadoras deixarão de adquirir terrenos contaminados e grande parte dessas áreas permanecerá poluída, com severo risco para a população, já que o mercado imobiliário é o que mais atua na recuperação dos terrenos contaminados.”

O setor também ganha, alega Bicalho, porque o avanço na questão propicia segurança jurídica. Ou seja, o empreendedor consegue projetar qual será o custo da remediação ambiental e o impacto que terá no custo da obra. Sem surpresas.

Inovação. Também agraciada, a sexagenária Lello Condomínios entrou de vez no mundo digital. O desenvolvimento de aplicativos para smartphone e de um portal exclusivo para que síndicos, conselheiros e moradores tenham acesso a todas as demandas da rotina de um condomínio ao tempo de um clique, além de eliminar a burocracia, é responsável pelo prêmio Tecnologia e Soluções Digitais.

“A Lello Digital, formada pelo conjunto de ferramentas disponíveis, trouxe uma disrupção na forma de produzir e entregar serviços para síndicos, condôminos e funcionários dos prédios”, afirma o diretor-superintendente da administradora, Antonio Couto.

Além da facilidade ao usuário, as ferramentas propiciam ganhos ambientais e financeiros, já que elimina a necessidade de impressão de papéis, protocolos de atendimento e de ligações telefônicas. 

O app exclusivo “Interfone”, criado em 2016, e disponível para download pela Apple Store e Google Play, permite que moradores resolvam todas as suas demandas e permite o acesso à prestação de contas do prédio, segunda via de boleto, comunicados internos e agenda do condomínio.

Até julho, por exemplo, foram mais de 10,5 mil downloads. “Ele pode reservar o salão de festas ou verificar a agenda da cozinha gourmet pelo app”, exemplifica Couto. 

Outra opção é utilizar o “Resolva Fácil”, área do portal eletrônico da Lello dedicada à resolução dos principais problemas dos moradores. 

Eles podem, inclusive, solicitar online um acordo amigável para pagar cotas de condomínio em atraso, obter uma Certidão Negativa de Débito e até alterar a titularidade do imóvel. Couto diz que, até julho, foram 5.800 acessos.

“O que estamos fazendo é a democratização da informação”, diz. “Isso demonstra aos agentes do setor que é possível inovar em um mercado tão tradicional.” Segundo Couto, facilita a vida dos clientes sem perder de vista a segurança.

“Tanto é assim que apesar da resistência inicial, o que já era esperado, todos os 3 mil condomínios administrados por nós utilizam a nova plataforma.”

Mais conteúdo sobre:
Tecnologia São Paulo [cidade SP]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.