Caio Galucci
Caio Galucci

Musical leva a história da plateia ao palco

Espetáculo encena a vida de um casal que se conhece na Paulista, casa, compra imóvel, tem filhos; e ele, engenheiro, acaba ganhando um Master

Débora Ribeiro, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 07h02

Um espetáculo de teatro musical, que conta uma história espelhada na plateia, com protagonistas e músicas consagrados e muita tecnologia em cena celebra o 23º Master Imobiliário. 

“Criamos mais esta superprodução, porém mais realista que os anteriores. Este ano, o roteiro acompanha o casal durante 23 anos de vida em comum, o número de anos do Master”, explica Richard Luiz, diretor artístico do Master nos últimos dez anos. “Os outros eram mais shows de música, mas neste contamos a história desses personagens, desde que se conheceram, como desenvolvem suas vidas, com a evolução da cidade, do bairro”, diz o diretor.

O casal protagonista, interpretado por Kiara Sasso e Daniel Boaventura, se apaixona nos anos 1980. Jovens universitários, se conheceram na Avenida Paulista, numa tarde chuvosa. “Esta cena da chuva é belíssima”, entusiasma-se Richard.

Ele se forma em engenharia, ela em medicina. Casam-se e buscam o primeiro apartamento. 

Quando vem o segundo filho, a família muda-se para um imóvel maior, em um condomínio com lazer e mais conforto, mostrando a preocupação com a localização, proximidade de escolas e com a mobilidade urbana.

Os efeitos de luz e as imagens transmitidas nos 38 grandes videocenários de LED em 3D ajudam a contar essa história, cujo desfecho proporciona empatia emocional ainda maior com a plateia: o casal comemora a notícia de que o já experiente engenheiro tem seu case premiado no Master Imobiliário. “É a história dessas pessoas que estão na plateia”, conclui o diretor.

O espetáculo do Master 2017 é mais que um belo show de música, é um teatro musical. “Isso exigiu um trabalho muito maior de interpretação dos atores, que se fez mais importante do que piruetas de palco”, comenta a coreógrafa Fernanda Chammas, responsável por este e pelos shows anteriores.

“A linguagem coreográfica tem que ilustrar o momento do enredo que está sendo contato. E os atores que fazem personagens tão reais têm de passar muita verdade em sua atuação”, diz Fernanda, que usou diferentes estilos neste musical.

Na cena em que o casal, ainda adolescente, está no parque, imperou o clima “Old Broadway”, com giros, chapéus, brincadeiras e danças. No embalo de “Flagra” (Roberto de Carvalho/Rita Lee), os apaixonados estão no escurinho do cinema – com poltronas de salas de exibição e filmes de sucesso – em cena com linguagem de cartuns. 

Ursos gigantes invadem o palco quando o casal decora o quarto do primeiro filho, ao som de “Isn’t She Lovely” (de Stevie Wonder) e caixas enormes chegam ao palco para dar o tom de mudança de casa, quando eles partem para o novo imóvel, ao som de “Vilarejo”, sucesso na voz de Marisa Monte.

“Fiz uma orquestração diferente, com metais, madeiras, para ficar mais chique, colocando dentro da dramaturgia o que o espetáculo pede”, conta o maestro Carlos Bauzys, em sua segunda experiência no Master. “Os arranjos também contam a história”, diz Bauzys, maestro de Cantando na Chuva, musical com Cláudia Raia recém-lançado em São Paulo, e de Rio Mais Brasil, em cartaz no Rio e Janeiro. 

O hit dos anos 1980 “Um Sonho a Dois” (Sullivan e Massadas) é um dos pontos altos da interpretação de Daniel e Kiara como cantores nesse espetáculo, segundo Fernanda, para quem a cena do casamento é outro ápice: a noiva faz um desfile com buquê, no plano da plateia, até subir ao palco.

“O roteiro é lindo e divertido, para proporcionar ao público uma noite inesquecível”, afirma a protagonista Kiara Sasso, atriz com carreira consolidada em musicais, como A Noviça Rebelde, O Fantasma da Ópera, Miss Saigon, Mamma Mia!, Hair, New York New York, A Madrinha Embriagada (que lhe rendeu o prêmio Bibi Ferreira de melhor atriz coadjuvante) e O Homem de La Mancha. 

“É uma experiência deliciosa trabalhar com essa equipe extremamente profissional e talentosa e ao lado do meu amigo Daniel Boaventura”, diz Kiara, que contracenou com o ator pela primeira vez em 2002, no musical A Bela e a Fera. Este ano, Kiara levou ao palco seu show solo “Silhuetas” e estreia dia 20 de setembro o show Just 4 show, com mais três cantoras, no Teatro Porto Seguro, em São Paulo.

“Foi um belo desafio fazer esse mestre de cerimônias diferente, cantando músicas que costuram a ordem cronológica dos personagens”, conta Daniel Boaventura. Ele ressalta a importância de fazer um espetáculo “com leveza e humor delicado, que traz às pessoas uma mensagem de felicidade, tão importante nos dias de hoje”. 

O ator estrelou os musicais Família Addams, Chicago, Vitor ou Vitória, entre outros. Viveu o personagem PC no seriado Tapas e Beijos, da Rede Globo. Também gravou o DVD Your Song e prepara o show que apresentará dia 6 de outubro, no Teatro Metropolitan da Cidade do México.

Em março de 2018 fará o Capitão Gancho em Peter Pan, no Teatro Alfa, em São Paulo.

Mais conteúdo sobre:
Kiara Sasso Daniel Boaventura

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.