JF Diório / Estadão
JF Diório / Estadão

Projetos imobiliários arrojados põem Paulista no mapa da inovação

Com alta tecnologia e ousadia, obras na região da avenida ficam com 4 das 9 premiações que cidade recebeu do mercado

Heraldo Vaz/Especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

30 Agosto 2018 | 05h51

Inovações em sistemas de construção e projetos arrojados renderam para a região da Avenida Paulista quatro dos nove prêmios que a cidade de São Paulo arrematou na 24ª edição do Master Imobiliário. Os empreendimentos apresentam o que há de mais moderno em edificação e arquitetura, segundo a comissão julgadora do prêmio, promovido pelo Sindicato da Habitação (Secovi-SP) e o capítulo brasileiro da Federação Internacional das Imobiliárias (Fiabci Brasil).

Inaugurado em setembro de 2017, o Instituto Moreira Salles deu o prêmio de construção de complexo cultural para a All’e Engenharia. O vão livre na entrada é ligado diretamente ao 5º andar – onde está a praça de convivência – por escada rolante.

A comissão de jurados compara o “museu de última geração a similares dos Estados Unidos e Europa”, citando, além de inovações construtivas e arquitetônicas, as salas de exposição, palestras e pesquisa, cine-teatro, biblioteca e restaurante.

Na esquina com a Rua da Consolação, o Edifício Evaristo Comolatti, que ganhou prêmio de soluções tecnológicas, é parceria da Stan Incorporadora e RFM Construtora. O desafio foi fazer a obra em cima de túneis do metrô. A base para sustentar a torre de 11 pavimentos é um bloco de 1.160 m³ de concreto com 180 toneladas de aço.

“O Master mostra que as empresas premiadas estão na vanguarda do setor”, diz Marcio Botana Moraes, diretor da RFM.

Laureado como edifício comercial, o Habitat, da BSP Empreendimentos, do grupo Bradesco, priorizou a circulação de pedestres. No térreo, uma passagem de livre acesso liga a Consolação com a Avenida Angélica. Os 10 andares do prédio foram alugados para a WeWork, empresa de coworking , que também locou totalmente o Evaristo Comolatti.

Ao lado do Conjunto Nacional, na Rua Padre João Manuel, 109, o empreendimento corporativo PMJ 109 ganhou prêmio de preservação de patrimônio com restauro de casarão construído em 1911 pelo Barão de Bocaina. É mais uma obra da Stan.

No total, 21 projetos foram contemplados nesta edição. Entre os principais critérios estão inovação, soluções e desempenho, sucesso e criatividade, excelência das ações, resultados para a sociedade e indústria da construção. “Mais uma vez, o Master consagra os principais projetos”, diz o presidente da Fiabci Brasil, Rodrigo Luna. “A qualidade é espetacular. O prêmio coloca uma lupa nos trabalhos”, afirma. “É uma injeção de ânimo em um momento de inflexão, após quatro anos de crise muito grande.” O presidente do Secovi-SP, Flavio Amary, reforça que “o Master premia e prestigia as produtos mais bem concebidos”.

Neste ano, a Stan foi a mais agraciada. Além do PJM109 e do Evaristo Comolatti, também teve contemplado o residencial Habitarte, construído em parceria com a Yuny Incorporadora.

A Tegra Incorporadora levou dois troféus. Um com o empreendimento multiúso Union Square, no Centro Metropolitano do Rio de Janeiro, e o outro com a torre corporativa 17007 Nações, na Chácara Santo Antônio, zona sul de São Paulo.

A premiação hors concours foi para o trabalho social do Instituto Cyrela, criado pelo empresário e filantropo Elie Horn, fundador da Cyrela.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.