Werther Santana/Estadão
Werther Santana/Estadão

Uso de tecnologia BIM garante troféu à Sinco

Companhia adota processo em 38 projetos para evitar desperdícios e obter ganhos

Patrícia Büll, especial para o Estado, O Estado de S.Paulo

31 Agosto 2017 | 07h22

Se o mercado imobiliário ainda se encontra em compasso de espera, o mesmo não se pode dizer das empresas do setor. Inovação e tecnologia são duas vertentes cada vez mais utilizadas pelas companhias na busca por soluções que tragam ganho de produtividade, mais qualidade para os empreendimentos, melhora do faturamento e, claro, sem perder de vista o cliente. É o caso da Sinco Engenharia.

“Receber o prêmio é a comprovação de que apostar na tecnologia digital para construir empreendimentos reais é uma estratégia que não tem volta”, afirma o diretor de engenharia da Sinco Engenharia, Paulo Sanchez. “O Master Imobiliário é a consagração de todo um trabalho que nós acreditamos. É o reconhecimento de que investir em tecnologia traz rentabilidade”, acrescenta.

A empresa conquistou o prêmio Boas Práticas na Aplicação de Recursos Tecnológicos com o case BIM – Antevendo problemas e suas interferências nas construções. BIM é a sigla para a tecnologia Building Information Modeling, que, além de utilizar a tecnologia 3D, permite que as equipes de projeto criem coordenadas, prevejam o desempenho do projeto, sua aparência e custos, explica Sanchez. 

“Utilizar o BIM é você elevar ao melhor padrão o nível do projeto, para não haver conflitos durante a execução. Uma tubulação de água, por exemplo, não vai conflitar com uma coluna lá na frente. É possível enxergar isso antes”, diz o presidente da comissão julgadora do Master, Sergio Mauad.

“Dessa forma, é possível entregar a obra sem desperdício de materiais, sem custo adicional e o mais importante, dentro do prazo”, afirma Sanchez. 

A Sinco aplicou essa tecnologia na construção do Cantareira Norte Shopping, um empreendimento de 27 mil m² de área bruta locável (ABL) e 52,5 mil m² de área construída, localizado na capital paulista e inaugurado em abril de 2016.

O engenheiro diz que a companhia é pioneira na adoção da tecnologia BIM, utilizada em todos os seus projetos desde 2011. “O principal desafio de ser pioneiro em qualquer área é encontrar profissionais capacitados”, afirma. “Conosco não foi diferente”, acrescenta. “Era difícil encontrar bons projetistas que utilizassem a tecnologia.” Por isso, segundo Sanchez, a opção foi criar um departamento dentro da construtora. “Isso se tornou nosso diferencial.”

Hoje, a empresa já contabiliza 38 empreendimentos utilizando a tecnologia BIM, o que corresponde a 850 mil m² de área construída. No caso específico do Cantareira Norte Shopping, foram investidos dois anos em estudos de todos os detalhes referentes à obra.

“Com isso, pudemos elaborar e seguir o cronograma rigorosamente e, assim, manter todas as etapas de construção em dia”, diz Sanchez. 

Além disso, não ocorreram aditivos por custo de projeto, e a empresa alcançou uma redução de 6% no custo da obra. “Os ganhos ambientais também são enormes, enfatiza ele, citando a eliminação de desperdício de material que gera entulhos.”

Em relação ao mercado, o diretor da Sinco espera melhoria para o próximo ano. “O mercado vinha ascendente até 15 de maio, quando ocorreu a delação dos executivos da JBS. Desde então está tudo em compasso de espera”, diz. “Afinal, o mercado imobiliário vive de confiança e esse problema desestabilizou o que já era frágil.”

Sanchez, no entanto, confia na equipe econômica atual, que considera muito comprometida e respeitada. “O que me deixa otimista para 2018. A confiança ascendente, a despeito de ser um ano eleitoral.”

Mais conteúdo sobre:
Engenharia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.