Valor do contrato novo de aluguel residencial em SP tem queda de 0,1% em setembro

Segundo Secovi, aumento atingiu 3,52% no acumulado em 12 meses, patamar próximo ao da inflação medida pelo IGP-M

Circe Bonatelli, O Estado de S. Paulo

24 de outubro de 2014 | 08h16

SÃO PAULO - Os contratos novos de locação residencial na capital paulista caíram 0,1% na comparação de setembro com agosto, de acordo com pesquisa divulgada há pouco pelo Sindicato da Habitação de São Paulo (Secovi-SP).

No acumulado dos últimos 12 meses, o aumento atingiu 3,52%, patamar próximo ao da inflação medida pelo Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), que ficou em 3,54%.

"O aumento dos valores de locação vêm apresentando redução desde o início do ano, reflexo das dificuldades que a economia brasileira atravessa" afirmou em nota, Mark Turnbull, diretor de Locação do Secovi-SP.

Os contratos de aluguel dos imóveis de um dormitório tiveram alta de 0,5% em setembro ante agosto. Já no caso das unidades de dois e três quartos houve quedas de 0,2% e 0,9%, respectivamente.

As residências foram alugadas em um período médio entre 15 e 35 dias. Os apartamentos saíram em 21 a 43 dias.

Segundo a pesquisa, o tipo de garantia mais utilizado foi o fiador, que respondeu por quase metade das locações efetuadas (47,5%). A segunda modalidade mais utilizada foi o depósito de até três meses de aluguel, que viabilizou 32,5% dos contratos. Já o seguro-fiança foi usado em 20% dos contratos.

Tudo o que sabemos sobre:
imóveisaluguel

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.