DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO
DANIEL TEIXEIRA/ESTADÃO

Venda de imóveis novos em São Paulo recua 25% em fevereiro

Menos dias úteis, carnaval e expectativas negativas com relação à economia derrubaram os níveis de confiança dos consumidores

Álvaro Campos, O Estado de S. Paulo

08 Abril 2015 | 16h37


SÃO PAULO - As vendas de imóveis novos na cidade de São Paulo registraram queda de 25,4% em fevereiro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, para 732 unidades, segundo pesquisa do departamento de economia e estatística do Secovi-SP (Sindicato da Habitação). Em relação a janeiro, a retração foi de 0,7%.  

"O efeito sazonal do início do ano continuou a afetar o desempenho do mercado imobiliário. O menor número de dias úteis do mês de fevereiro, o carnaval e as expectativas negativas com relação à macroeconomia derrubaram os níveis de confiança dos consumidores e dos empresários", avalia Celso Petrucci, economista-chefe do Secovi-SP. Os executivos do setor acreditam, no entanto, que março será melhor. 

"Percebemos uma ligeira melhora nos lançamentos de empreendimentos e nas vendas, principalmente em razão das boas oportunidades que existem hoje no mercado", ressalta o presidente do sindicato, Claudio Bernardes.  

O indicador de vendas sobre ofertas (VSO) acumulado de 12 meses mostra que 41,6% do total de imóveis ofertados no período foram comercializados. Em termos monetários, o valor global de vendas (VGV) foi de R$ 408 milhões, 6% superior ao volume de janeiro e 21% menor que o de fevereiro de 2014, considerando os valores atualizados pelo índice nacional de custos da construção (INCC).  

Imóveis de dois dormitórios lideraram as vendas em fevereiro, com 330 unidades (45% do total), seguidos das unidades de um quarto, com 203 unidades (28% do total); de três dormitórios, com 152 unidades (21% do total); e de quatro ou mais dormitórios, com 47 imóveis (6% do total).  

Segundo dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), o total de 872 unidades residenciais lançadas no município de São Paulo em fevereiro representou aumento de 59,7% em relação às 546 unidades de janeiro e queda de 7,2% se comparado às 940 unidades do mesmo mês de 2014.  

A cidade de São Paulo encerrou o mês de fevereiro com 26.756 unidades não vendidas em oferta, o que equivale a um estoque para 15 meses de vendas, considerando a média de 12 meses de vendas, que é de 1.753 unidades. O estoque corresponde a imóveis residenciais novos em construção e prontos, lançados entre março de 2012 e fevereiro de 2015 (últimos 36 meses).  

Região Metropolitana. Com exceção da capital, as demais cidades da Região Metropolitana registraram a comercialização de 486 unidades em fevereiro, retração de 17,9% em relação a janeiro (592 unidades) e queda de 46,3% na comparação com o mesmo mês de 2014 (905 unidades).  

O indicador de vendas sobre ofertas (VSO) de 12 meses desses municípios ficou em 53,8%. Foram lançadas 319 unidades residenciais nessas cidades, o que representou aumento de 89,9% em relação a janeiro e retração de 17,4% ante fevereiro de 2014.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.