Nappy
Nappy

Como procurar emprego online? Veja 42 plataformas de vagas 

Especialista dá dicas para candidatos terem mais sucesso na busca por uma recolocação; além de sites de vagas gerais, há opções por nichos, para estágio e trainee e, também, voltadas para diversidade e inclusão

Anna Barbosa, O Estado de S.Paulo

21 de janeiro de 2021 | 09h00

A crise do novo coronavírus intensificou ainda mais um problema que assombra os trabalhadores brasileiros: o desemprego. No ano passado, os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) registraram a maior taxa de desemprego desde 2012, com 14,1 milhões de brasileiros sem trabalho

Para aqueles que seguem em busca da recolocação ou até mesmo de seu primeiro emprego, principalmente durante a pandemia, as plataformas de vagas se tornaram cada vez mais importantes. 

Segundo os especialistas, a digitalização dos processos de contratação veio para ficar, principalmente por conta da pandemia, e os candidatos que não se adaptarem ficarão para trás. “Estamos vivendo uma era na qual o candidato precisa se alfabetizar digitalmente, independentemente da idade ou formação. Se não tiver isso, a pessoa fica ausente do mundo, porque as transformações vão continuar acontecendo”, diz Denise Asnis, especialista em RH e co-fundadora da startup de empregabilidade Taqe.

Denise explica que, antes das plataformas digitais, as empresas se fechavam mais para trabalhar com candidatos locais, mas que os processos tecnológicos começaram a ampliar o escopo de pessoas que poderiam ser aptas aos processos - mudança que foi acentuada pela pandemia, com a adaptação para o trabalho remoto.

Para a especialista, o candidato também é beneficiado com isso. “É possível ser visto por um contingente maior de empresas. Antes, a pessoa precisaria ir de empresa a empresa entregar o currículo.”

Ela aponta que, por outro lado, a concorrência também é maior. Por isso, a especialista deu algumas dicas para que aqueles que estão procurando trabalho sejam mais assertivos em suas buscas:

    Analise as plataformas para checar se elas têm o perfil que você almeja: foque menos em números e mais em entender o que você quer e qual é o seu perfil, se aplicando para as vagas corretas;

    Busque por empresas que você gostaria de trabalhar: acesse o site das empresas, leia matérias, se informe por quais plataformas os processos seletivos são feitos;

    Procure por sites que mantenham os dados das empresas e das oportunidades frequentemente atualizados;

    Atualize seus dados dentro das plataformas: um perfil desatualizado pode te prejudicar;

    Use palavras-chave: o uso delas pode facilitar que o  RH encontre seu perfil. “Se você trabalha na feira com sua família e coloca “ajudo na feira com a família”, tem menos chances de ser encontrado do que quando coloca “vendedor em feira livre”, por exemplo. A palavra vendedor é uma palavra-chave”, explica Denise.

    Além das plataformas de vagas tradicionais, existem espaços voltados especificamente para contratação de grupos minorizados, como pessoas com deficiência, LGBTQIA+, negros, mulheres e 50+.

    Gabriela Augusto, especialista em diversidade e inclusão e diretora fundadora da Transcendemos Consultoria, ressalta a importância desses espaços. “Essas plataformas são essenciais porque não são todas as empresas que estão preparadas para receber essa diversidade. Uma pessoa trans, por exemplo, pode ficar com o pé atrás para mandar o currículo para uma empresa que não é comprometida com a diversidade.”

    Contudo, Gabriela faz a ressalva de que não basta apenas estar inserido dentro dessas plataformas. “É preciso preparar a empresa para receber esses funcionários. As pessoas precisam estar preparadas para a cultura do respeito.”

    Confira abaixo 42 plataformas de vagas de emprego:

    Plataformas de vagas 

    Plataformas exclusivas de estágio e trainee 

    Plataformas voltadas para diversidade e inclusão 

    • BlackVagas: vitrine de profissionais da comunidade negra desenvolvida pelo Movimento Black Money;

    • Camaleao.co: profissionais da comunidade LGBT+

    • Contrate uma Mãe: mães que buscam recolocação com flexibilidade

    • EmpregueAfro: consultoria e recrutamento de profissionais negros

    • Empresas com Refugiados: iniciativa para inserir refugiados no mercado brasileiro

    • Ganbatte: recrutamento, seleção e desenvolvimento de jovens profissionais de grupos periféricos (classes sociais CDE; Negros; Mulheres; LGBTQ+; PcD)

    • HerForce: recrutamento de mulheres com avaliação anônima das contratantes

    • Labora: profissionais com mais de 50 anos

    • MaturiJobs: profissionais com mais de 50 anos

    • TransEmpregos: banco de vagas e currículos para pessoas trans

    • Transcendemos: conectar talentos LGBT+, negros e de outros grupos subrepresentados à empresas comprometidas com a diversidade e a inclusão

    • Vagas PCD: vagas voltadas para profissionais com deficiência

    Plataformas por área de atuação 

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    Comentários

    Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.