Foto: Estadão
Foto: Estadão

'Empreendedorismo de vida' e 'ressignificação da relação com o trabalho' são a alma do negócio

Alexandre Pellaes, fundador da Exboss, e Wilson Poit, diretor do Sebrae em SP foram os convidados da Sua Carreira ao Vivo; live faz parte do projeto multiplataforma homônimo do 'Estadão'

Marina Aragão, O Estado de S.Paulo

23 de outubro de 2020 | 21h21

Antes de gerir a trajetória profissional, as pessoas precisam aprender a empreender nas próprias vidas. Este é o recado de Alexandre Pellaes, fundador da Exboss, e Wilson Poit, diretor do Sebrae em São Paulo, convidados para a live No meio da carreira, havia o empreendedorismo, realizada nesta sexta-feira, 23. O bate-papo, mediado pela repórter Letícia Ginak, integra a cobertura multiplataforma Sua Carreira, do Estadão. De acordo com os entrevistados, um bom negócio une autoconhecimento, investimento nos pontos fortes e ressignificação da relação com o trabalho e com o conceito de liderança.

Poit iniciou a fala informando que o Sebrae registrou um aumento de 1 milhão de novos microempreendedores no primeiro semestre deste ano, passando de 10 para 11 milhões, o que vê como algo positivo. No entanto, Pellaes ponderou que os brasileiros ainda costumam focar na “operação” quando pretendem empreender, sem antes entender a gestão da própria vida e todo o contexto de mercado. “Agora, a gente começou a ampliar a nossa conversa para esse espírito empreendedor de vida, entender que fazemos a diferença no rumo que a empresa vai seguir”, disse.

Para isso, ele apontou a importância de um olhar diferente para as relações de trabalho. O fundador da Exboss explicou que, historicamente, as conexões nos empregos eram “muito mecânicas, muito ferramentais” e, hoje, há a necessidade de uma “humanização da relação”. “Quando falamos de empreendedorismo, estamos falando de atender as pessoas, de servir, de solucionar problemas, esse é o cerne”, ressaltou.

Nesse sentido, ele destacou as configurações de liderança. De acordo com Pellaes é importante compreender que a liderança não é uma propriedade ou característica de um indivíduo, e sim uma característica de uma relação que se estabelece a partir da conexão entre as pessoas. “As organizações precisam equilibrar, a liderança abrir mão do poder, as pessoas amadurecerem, para termos relações mais horizontalizadas e compartilhadas.” Já Poit explicou que um bom líder é alguém que “bate metas e entrega resultados”, sem procurar possíveis culpados ou responsáveis pelos problemas, “trabalha em equipe”, “faz direito e sem atalhos” e “está sempre preparando sucessores”.

Por isso, é bom lembrar que ninguém empreende sozinho e sem diversos pontos de vista. De acordo com os entrevistados, os aspirantes a empreendedores ou mesmo os que já têm alguma empresa devem ter como mote a diversidade, sustentabilidade e segurança psicológica. “Quando a gente vai criar um negócio, é preciso ter o compromisso de se desafiar e olhar além do óbvio. Eu sugiro que a gente se aproxime do desconhecido”, aconselhou Pellaes. Poit acrescentou que pensar na diversidade desde o começo é ainda melhor.

Foco nos jovens

Ainda segundo os convidados, um dos pontos principais para que os futuros gestores comecem seus empreendimentos da maneira mais estruturada possível é inserir a “educação empreendedora” desde cedo - ainda na educação básica, para crianças e jovens. Poit detalha que os mais novos, que ainda estão na escola, devem aprender sobre dinheiro, orçamento doméstico e planos de negócio.

Para os que já estão na faculdade, Pellaes aproveita para dizer que “não há receita” no empreendedorismo e não se deve ter pressa. “Empreendedorismo é uma mentalidade de aprendiz, de colocar em prática, de aprender as coisas de uma forma expandida, e não precisa necessariamente acelerar esse passo”, orientou. De acordo com ele, é importante que o jovem pense em propósitos e entenda o que quer ser por meio do trabalho.  

Independentemente da idade, porém, os entrevistados dão três dicas básicas para aqueles que pretendem empreender: entenda seus pontos fortes e aquilo que dá prazer em fazer; faça networking e seja assertivo nas conversas; seja autêntico e “plástico”, ou seja, é preciso ser verdadeiro com as próprias vontades, limitações e intenções e saber se moldar positivamente aos desafios que encontrar pela frente. “O foco tem de estar na solução e não no problema.”

Vem Pensar com a Gente

Confira outras reportagens do Sua Carreira:

Dinâmica social reforça a síndrome do impostor, explica especialista

Habilidades comportamentais já são prioridade nº 1 em contratações

Como usar o pitch de elevador para fazer sua carreira decolar

Muito além do salário: profissionais miram benefícios ao escolher empresas

Glossário: sua carreira de A a Z

E participe enviando suas dúvidas em áudio pelo WhatsApp 11 9 9350-7355. Não se esqueça de mandar o seu nome para que possamos identificá-lo. As dúvidas serão respondidas no podcast Trabalho Mental e nas reportagens.

Tudo o que sabemos sobre:
Sua CarreiraSebraeempreendedorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.