Maria Gomes
Maria Gomes

Escola de programação que paga para aluno estudar tem inscrições abertas

Além de pagar para estudante frequentar aulas, Alpha Edtech garante primeiro emprego para jovens em situação de vulnerabilidade social; inscrições são prorrogadas até dia 25/6

Juliana Pio, O Estado de S.Paulo

15 de junho de 2021 | 20h34
Atualizado 23 de junho de 2021 | 11h52

Estão abertas para todo o Brasil as inscrições para a 2ª edição da Alpha Edtech, escola de programação que paga ao aluno para estudar e garante emprego ao final do curso. Para este ano, além de priorizar jovens em situação de vulnerabilidade social, a startup social, sem fins lucrativos e de formação acelerada, quer alcançar número maior de mulheres nas inscrições e na seleção.

As inscrições para as 60 vagas da turma de 2021 podem ser feitas de forma gratuita e online pelo site da escola (clique aqui) até o dia 25 de junho (leia mais abaixo sobre o processo). Para participar não é necessária experiência prévia em linguagem de programação ou na área de tecnologia.

O objetivo, segundo Nuricel Villalonga, diretora do projeto e fundadora do Alpha Lumen, que coordena o Alpha Edtech, é ajudar a reduzir o déficit de profissionais do gênero feminino em tecnologia, que representam apenas 20% do mercado, de acordo com a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para a turma de estreia, no ano passado, a Alpha Edtech recebeu 2.581 inscrições de todas as regiões do País, sendo 39% mulheres e 61% homens. “Furamos a bolha na primeira edição tendo um número bom de inscritas e melhor ainda no grupo selecionado, que ficou composto por 55% de homens e 45% de mulheres. A meta é chegar a 50-50 esse ano, sem reserva de vaga”, explica Nuricel.

Entre as primeiras selecionadas está Andréa Jainy Gomes de Souza, de 25 anos, de Jaboatão dos Guararapes, em Pernambuco. Ela ficou desempregada no início da pandemia e precisou trancar a faculdade de Administração. “Sempre gostei muito de games, mas achava que a tecnologia não era para mim por ser um ambiente predominantemente masculino”, lembra. 

Andréa conheceu a Alpha Edtech por meio de reportagem do Estadão, se inscreveu no processo seletivo e passou. “A tecnologia surgiu como oportunidade que eu abracei e me completou.”

O curso tem duração de três semestres e carga horária de cerca de 8 horas por dia. O aluno aprende conteúdos técnicos de desenvolvimento web e aprimora conhecimento em soft skills e no idioma inglês.

Ao longo dos 18 meses, os estudantes também participam de atividades, como oficinas, webinars e desafios, desenvolvidas pelas mais de 20 empresas, nacionais e internacionais, parceiras da iniciativa, as quais serão responsáveis pelas contratações ao final do curso.

  • Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Selecionados recebem auxílio mensal 

Quem ingressar na Alpha EdTech ainda recebe, desde o primeiro semestre, um auxílio mensal de R$ 1 mil. Foi por meio desse dinheiro que Andréa conseguiu iniciar esse ano nova graduação em Service Design pela Uninassau. Com o valor, ela também ajuda a pagar as contas de casa.

“Eu e outras mulheres que atuam com tecnologia estamos lutando para abrir espaço e sermos reconhecidas pelo nosso trabalho. É como se a gente estivesse asfaltando as ruas para que as mulheres do futuro tenham oportunidades e vejam que a área é para qualquer pessoa, independentemente de gênero ou classe social”, afirma Andréa.

Colega de Andréa, Luana Lessa, de 24 anos, de Itaiçaba, no Ceará, vê a Alpha EdTech como uma virada de chave em sua vida pessoal e profissional. “Sou do interior e jamais imaginava ter essa chance, porque normalmente as coisas chegam aqui com mais dificuldade e, por ser mulher, sinto que sempre precisei trabalhar em dobro para conseguir reconhecimento”, destaca a jovem, que complementa: “Além de ensinar conhecimentos técnicos, a Alpha acolhe a sua trajetória e dá segurança”.

Saiba mais sobre o processo seletivo

O candidato inscrito passa por webinars preparatórios e participa de avaliações diagnósticas, incluindo lógica matemática e análise de perfil. Os finalistas passam também por entrevistas individuais. As avaliações podem ser realizadas de forma online entre junho e agosto, e os selecionados iniciam o 1º ciclo em setembro. 

1º ciclo - Aspirante Júnior: São seis meses com 8h diárias de dedicação integral nas atividades de formação. Essa etapa é totalmente online, pela plataforma da Alpha Edtech, sendo parte das atividades em tempo real e outras assíncronas.

2º ciclo - Aspirante Pleno: Nessa etapa o aspirante continua mais 6 meses sua formação online, sendo 4h na empresa e 4h na Alpha Edtech.

3º ciclo - Aspirante Sênior: O aspirante tem mais 6 meses de formação, sendo 6h na empresa e 2h de preparação na Alpha Edtech. Ao final do ciclo acontece a cerimônia de formatura. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.