Nilton Fukuda/AE
Nilton Fukuda/AE

Gerente: a peça-chave da engrenagem

Para ocupar o cargo, o profissional precisa vestir a camisa da empresa, dar duro, além de saber extrair o melhor de cada um da equipe

Márcia Rodrigues, do Jornal da Tarde ,

12 de dezembro de 2011 | 14h58

SÃO PAULO - Dedicação, comprometimento e visão do futuro. Essas são as características que as empresas consideram determinantes no momento da escolha de um gerente. A função, que pode não ter o glamour do cargo de direção, é essencial para o bom andamento de uma companhia.

Especialistas a apontam como o coração da organização. "O gerente é o responsável por identificar o potencial de cada funcionário do departamento e conseguir extrair toda a sua capacidade produtiva. Além, é claro, de ter a função de formar novos líderes", diz a vice-presidente da Associação Brasileira de Recursos Humanos (ABRH), Elaine Saad.

O Grupo JBS avalia constantemente seus funcionários para fazer promoções internas e evitar contratações externas para um cargo de comando. "É uma forma de manter a equipe motivada e valorizar os profissionais que dão duro", conta a gerente de recursos humanos, Alina Paiva, de 29 anos, há dois anos no cargo. Antes de assumir a gerência, ela trabalhou em quatro Estados, até se fixar em São Paulo.

Alina é responsável pelo setor do grupo que concentra as fábricas ligadas à higiene e limpeza, braço da empresa que conta com 2,5 mil funcionários. Chegar à gerência, segundo ela, foi um processo tranquilo. "Passei direto do cargo de analista para o de gerente sem assumir a coordenadoria, que é uma função intermediária na empresa."

Para ela, a tarefa mais importante do cargo é estar sempre antenada para ver o que os concorrentes estão fazendo e não ficar para trás. "A dedicação é muito importante para conquistar o seu espaço. Você precisa colocar na cabeça o que é a sua área de atuação e dar o melhor de si."

Outro exemplo de quem conseguiu a promoção de "forma natural", como ela mesma conta, foi a gerente de operações clínicas de uma indústria farmacêutica, Cátia Campos, de 36 anos. Há dois anos e meio no cargo, e há quatro na empresa, Cátia passou antes por outra companhia onde sentiu que a ascensão profissional era "engessada". "Aqui, o reconhecimento é constante. Da mesma forma que cabe a mim avaliar os profissionais que merecem promoção, também sou avaliada", diz.

Responsável pelas operações da empresa na América Latina, Cátia ainda não se sente realizada. Quer chegar à representação dos Estados Unidos e Canadá. "Estou feliz por ter chegado até aqui, mas não quero parar. A gerência das Américas ou um cargo de direção são minhas próximas aspirações", sinaliza.

Engana-se quem pensa que para assumir um cargo de gerência é preciso ter amplo domínio técnico. Levantamento feito pela Catho Online com 210.500 entrevistados de 3.700 cidades apontou que 26.95% dos gerentes têm apenas nível superior.

Para Elaine, da ABRH, mais do que a visão técnica, o bom gerente deve ter o dom de conhecer e gerir pessoas. "Não adianta assumir um cargo desse e implantar somente as suas ideias. É preciso trabalhar com o limite e com o perfil de cada funcionário."

A opinião dela é compartilhada por Augusto Puliti, diretor da Michael Page. "Normalmente, um funcionário que chega à gerência, passa antes pelo cargo de analista, que exige alto conhecimento técnico. Por isso, ele precisa aprender que a transição do conhecimento específico para o de gestão é necessária para atingir um bom desempenho", diz.

E os aspectos que precisam ser avaliados são inúmeros. "O gerente precisa identificar, por exemplo, o que motiva cada integrante da sua equipe. Tem aquele que anseia por uma promoção, outro que ficaria feliz se ganhasse um aumento salarial e aquele que simplesmente precisa de reconhecimento", diz.

Para o diretor-geral da Business, Luis Saverio, o gerente precisa desenvolver competências para garantir uma boa atuação e, quem sabe, o cargo de direção. "Precisa estar alinhado à cultura da empresa, ter visão estratégica do negócio, flexibilidade e ter capacidade de desenvolver pessoas."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.