Regiane Cruz
Regiane Cruz

Heineken se une a microcervejaria para promover capacitação na periferia

Curso em parceria com Graja Beer e Instituto da Cerveja Brasil quer qualificar profissionais para o mercado da cerveja, ensinando formas de atuação no setor

Letícia Ginak, O Estado de S.Paulo

06 de novembro de 2020 | 09h00

Levar educação cervejeira para as comunidades nas periferias do País com foco em capacitação profissional e inclusão no mercado de trabalho especializado é o objetivo do mais novo projeto da cervejaria Heineken no Brasil. A iniciativa é fruto da parceria da multinacional com o Instituto da Cerveja Brasil (ICB), firmada em 2019. O curso conta com a curadoria de Leandro Sequelle, criador da fábrica-bar Graja Beer, localizada no Grajaú, extremo sul de São Paulo. 

No curso com duração de 20 horas, a primeira turma será composta exclusivamente por moradores do Grajaú, que terão as aulas em formato presencial nas dependências da Graja Beer entre os dias 27 e 29 de novembro. Os selecionados terão uma aula inaugural com Sequelle sobre a importância da cerveja como objeto de transformação e como o conhecimento na área pode ser uma porta de entrada para a empregabilidade no setor. O ICB ministrará aulas sobre a história da cerveja, matérias-primas usadas na produção da bebida e um módulo específico sobre serviço em bares e restaurantes. 

Especialistas da Heineken serão os responsáveis por apresentar a estrutura da cadeia cervejeira, mostrando as possibilidades de atuação no setor. Além disso, a companhia dará orientações de RH para apoiar os alunos na participação em processos seletivos. Os participantes passarão por uma avaliação e, ao final do curso, receberão um certificado. 

“Acredito que há um match muito bacana entre os envolvidos, pois essa vontade de transformar a comunidade e de criar ferramentas já vem sendo trabalhada há um tempo pela Graja Beer. A gente acredita muito que a cerveja tem esse poder de transformar e buscamos parceiros que também enxergam o setor dessa forma”, diz Sequelle. 

O empreendedor será o responsável por mapear outros 10 territórios em todo o País para dar capilaridade ao programa de formação. Todas as turmas terão 50% de mulheres como alunas e a projeção é formar 30 turmas até 2023. “É um programa de inclusão cervejeira e esse é o primeiro passo. Espero que a gente consiga fazer com que outras áreas da cadeia produtiva entrem junto. Após essa primeira turma, quero levar a experiência para donos de pontos de venda, importadores de cerveja, fornecedores e importadores de matérias-primas e falar assim: olha um mercado gigantesco que a gente não mexeu e pode fazer junto”, diz Estácio Rodrigues, fundador do ICB. 

Thais dos Santos, gerente de comunicação do Grupo Heineken completa dizendo que é estratégico para a companhia descobrir talentos com a iniciativa. “Essa é uma história que a gente quer construir paralelamente ao curso de capacitação, que é a possibilidade de no futuro trazer essas pessoas para dentro da Heineken e para dentro de bares parceiros. A gente está tentando buscar junto com o Leandro Sequelle comunidades que estejam próximas a lugares onde temos centros de distribuição, que são os locais onde ficam as nossas estruturas de venda”, conta. 

“É possível criar uma nova forma de ver o mercado. O programa tem impacto nas duas pontas”, finaliza Sequelle. As inscrições para as 30 primeiras vagas da turma do Grajaú já estão esgotadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.