Rollemberg Sabino
Rollemberg Sabino

Mulheres negras enfrentam barreira maior no mercado de tecnologia

Pouca diversidade no segmento é vista como barreira para profissionais; iniciativas Potências Negras Tec, no dia 14/8, e AfroDev oferecem oportunidades em tecnologia

Anna Barbosa, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2021 | 16h35

O Brasil tem mais negros (56%) e mulheres (52%), de acordo com o IBGE, mas o mercado de tecnologia é predominantemente masculino (73%) e a maioria dos cargos de liderança é ocupada por brancos (56%), segundo a pesquisa Potências Negras Tec, realizada pela jornada Potêncas Negras e Shopper Experience. O levantamento contou com a participação de 2.693 pessoas (1.528 pessoas negras e 1.165 de outras raças), entre junho e julho de 2021, e mostra que 59% dos negros não trabalham na área de tecnologia, mas têm interesse em atuar nela.

A pesquisa ainda aponta que para as mulheres negras é ainda mais difícil. Cerca de 61% das mulheres negras consideram atrativa a quantidade de vagas na área da tecnologia, enquanto entre as brancas esse número cai para 49%. O domínio do inglês, no entanto, é uma barreira para 56% das negras e apenas 13% para as brancas.

Além disso, 33% das mulheres negras acham que a maior dificuldade de entrar no mercado da tecnologia é a pouca diversidade e inclusão, área dominada por homens e pessoas brancas; entre as mulheres brancas, a questão é afirmativa para 23% das entrevistadas. Além disso, 71% das mulheres negras afirmam já terem sofrido racismo no trabalho, sendo 61% das discriminações feitas por colegas.

Tendo em vista essa questão do mercado, iniciativas como o Potências Negras Tec e o Afrodev atuam com o objetivo de abrir caminhos para mulheres e homens negros dentro da área de tecnologia.

No dia 14 de agosto, das 9h às 20h30, acontece o Potências Negras Tec, iniciativa que é uma cocriação da Profissas, Escola de habilidades humanas feita pela e para a Diversidade, e de Ana Minuto, especialista em diversidade e inclusão com mais de 15 anos de atuação na tecnologia. 

Com mais de 10 horas de programação entre palestras, painéis, entrevistas especiais e atrações culturais, o evento conta com a participação de referências na área como a própria Ana Minuto, Karen Santos (CEO da UX para Minas Pretas), Fernando França (UX researcher manager no Nubank) e Felipe Dutra Furtado (gestor de TI da Globo). As inscrições são gratuitas no site (clique aqui).

No encontro, os participantes poderão se conectar com oportunidades e com a equipe de recrutadores das empresas patrocinadoras, como Itaú, Grupo Boticário, Randstad, Globo, 99, AmbevTech e Creditas. As companhias estarão presentes durante todo o dia e também nos estandes virtuais com vagas abertas e à procura de pessoas negras para diversas áreas tec. 

  • Quer debater assuntos de Carreira e Empreendedorismo? Entre para o nosso grupo no Telegram pelo link ou digite @gruposuacarreira na barra de pesquisa do aplicativo

Já o Afrodev está com as inscrições gratuitas abertas até o dia 12 de setembro, neste link. A iniciativa é da Share RH e nesta terceira edição o programa contará com duas trilhas de formação na linguagem Python, patrocinadas pela Alelo e Suzano S.A. Ao final do período de capacitação técnica, as pessoas poderão concorrer a vagas nas empresas patrocinadoras. 

Com o intuito de melhorar a inclusão, essa edição contará com uma pessoa intérprete em libras na trilha de formação da Suzano e legendas em português nas videoaulas da trilha da Alelo. As aulas acontecerão de 4 a 23 de outubro, de segunda a sexta, das 19h às 22h, e aos sábados, das 9h às 16h.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.