‘Plus size’ tem espaço, mas impõe desafios

Segmento é mal conhecido, segundo especialista. Não há dados de varejo ou de produção específicos para o mercado de tamanho grande

Gustavo Coltri, especial para O Estado de S. Paulo,

27 de junho de 2011 | 14h14

Gigante pela própria natureza. Nunca o verso solene do Hino Nacional chegou tão perto da realidade do País. Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, a média dos jovens está 10 centímetros mais alta do que há 30 ano e cerca de 40 milhões de brasileiros adultos estão acima do peso. Se a nova situação cria dificuldades de adaptação a quem está fora dos padrões do mercado, ela também abre portas a empreendedores atentos às demandas da clientela plus size.

"Com o aumento da obesidade, esse passa a ser um mercado maior. Hoje, de nicho o plus size está passando a ser um segmento", diz o consultor de marketing do Sebrae Gustavo Carrer. De olho nessa fatia de público, desde a década de 1970 esta é a aposta da marca Eurico, especializadas na venda de calçados. "Se você tem pé grande, aqui você será atendido", diz Cláudia Rosenthal, neta do fundador e diretora de marketing da empresa.

O plus size está no DNA do negócio familiar, aberto em Moema, em 1938. Nos primeiros anos, os tamanhos fora do padrão atraíam estrangeiros, mais avantajados. Com o tempo, o público se diversificou. E, atualmente, a empresa tem dois outros espaços: um site e uma loja na Rua Oscar Freire focada em produtos sofisticados.

"Sentíamos que a Eurico não era uma marca desejável. Ela apenas resolvia um problema." A Eurico Max, como foi batizado o ponto nobre depois de uma remodelação conceitual em 2010, elevou em 30% o faturamento da empresa na região. "É um mix de produto para um público mais ligado a moda."

Usando calçados tamanho 42 desde os 12 anos, a professora universitária Regiane Relva Romano, 42, compra na loja há três décadas. Ela tem 1,80 metro de altura - 1,20 só de pernas - e sofre para encontrar peças adequadas ao seu corpo. "A população cresceu, engordou, a comida mudou, e o mercado não viu", diz a docente, especialista em tecnologias emergentes para negócios.

Inovação

Para Regiane - que diversas vezes já pensou em montar uma loja de roupas para os mais altos -, ainda falta visão às empresas: "Falo para os meus alunos: se vocês querem inovar, inovem no tamanho. Até pago mais".

Investir no segmento não é barato, especialmente em ramos dependentes de produção em escala. As adaptações de formas e solados, por exemplo, encarecem em até 20% os produtos vendidos na Eurico. "Não podemos prometer muito volume", diz a diretora de marketing da empresa, cujos principais fornecedores têm produção manual.

Para o consultor do Sebrae, o preconceito é outra barreira. "Muitos têm vergonha de ir a essas lojas. " Ele recomenda que o empreendedor estude o terreno: "O empresário tem que buscar conhecimento para lidar com o cliente. Se ele não tem esse know-how, pode cometer deslizes".

Apesar de oferecer muitas possibilidades de mercado - de móveis a utensílios domésticos - o plus size é também um segmento desconhecido. "Não existem dados específicos", afirma Claudio Felisoni de Angelo, coordenador do Programa de Administração de Varejo (Provar) da Fundação Instituto de Administração (FIA).

Conhecer as demandas das obesas foi determinante para a jornalista Renata Poskus Vaz, de 29 anos, 84 quilos e 1,73 metro montar seu negócio. "Se você não sabe o que está fazendo, não dá certo." Há dois anos, ela organizou um book fotográfico com outras mulheres cheinhas e divulgou a iniciativa em um blog onde contava sua "odisseia em busca do emagrecimento". A iniciativa gerou repercussão e se mostrou uma possibilidade de ganhar dinheiro. Hoje, ela viaja o País produzindo ensaios por até R$ 500 por pessoa.

O blog, intitulado Mulherão, cresceu e hoje emprega três colaboradores. Renata faz ainda trabalhos como modelo e organiza um desfile de moda com marcas especializadas. Em julho, o Fashion Weekend Plus Size deve reunir dez empresas na passarela e em um salão de negócios."Hoje, a Renata é uma marca."

Tudo o que sabemos sobre:
negócioempreendedorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.