Felipe Rau/Estadão
Felipe Rau/Estadão

Economistas em Wall Street veem cenário caótico no Brasil e chances de piora

Executivos do setor financeiro descreveram economia brasileira como complicada e caótica; crise política é vista como 'muito séria'

Altamiro Silva Junior, O Estado de S. Paulo

17 Setembro 2015 | 12h05

O Brasil acabou sendo um dos principais destaques de um seminário em Wall Street, com economistas e gestores de bancos como Morgan Stanley e Citigroup, para discutir o impacto da alta de juros nos Estados Unidos em países emergentes. A avaliação da economia brasileira mostrada no evento não foi das melhores e foi descrita pelos executivos do setor financeiro como "extremamente complicada", "caótica" e com uma crise política vista como "muito séria".

O seminário foi organizado pela EMTA, uma associação com sede em Nova York que reúne investidores que aplicam em mercados emergentes. Realizado na sede do UBS e com auditório lotado, o evento terminou na noite desta quarta-feira e o Brasil acabou ocupando boa parte das discussões, com os executivos mencionando temas como crise política, ajuste fiscal, recessão, Petrobrás e corrupção. Nesta semana, um editorial do jornal Financial Times afirmou que o Brasil é um paciente terminal e que, sem apoio, a presidente Dilma Rousseff tem tido dificuldade para responder à crise.

No evento em Wall Strett, o país, junto com outros emergentes como Turquia e Rússia, foi apontado como vulnerável e, portanto, mais propenso a sentir os efeitos da alta de juros nos EUA.

"A situação no Brasil é extremamente complicada", afirmou o diretor executivo e chefe da área econômica para emergentes do Citigroup, Guillermo Mondino, mencionando a crise política, a deterioração acelerada do Produto Interno Bruto (PIB) e a falta de clareza e consenso do governo sobre o que fazer para tentar "achar uma luz no fim do túnel". "O país está em uma situação muito difícil, a crise é muito profunda e séria", disse ele.

Para o executivo do Citi, se o governo conseguir implementar de forma bem-sucedida o pacote com medidas de austeridade anunciado esta semana, tem chance de evitar um novo rebaixamento do rating soberano por outra agência de classificação de risco. Mais um rebaixamento aprofundaria a recessão no país, disse ele.

No evento, porém, foram levantadas dúvidas sobre a capacidade de o governo conseguir avançar com o pacote. O Congresso hostil ao governo é um dos fatores que deixam as coisas mais incertas, afirmou o diretor e co-chefe de estratégia de renda fixa para emergentes do Morgan Stanley, Gordian Kemen. Além disso, a presidente Dilma Rousseff enfrenta níveis historicamente baixos de popularidade. "O melhor cenário parece ser uma estabilização das coisas em um nível muito baixo", afirmou. A recomendação neste momento para estrangeiros interessados no país, disse Kemen, é de cautela.

Com dúvidas sobre os rumos do pacote fiscal, Kemen também levantou preocupações sobre se o país vai conseguir evitar um novo rebaixamento. No caso da Moody's, o Brasil deixaria de ser considerado grau de investimento por uma segunda agência de classificação de risco, o que ajudaria a afastar ainda mais investidores estrangeiros do país. O executivo do Morgan destacou que o Brasil sempre atraiu investidores de risco, mas desde que se transformou em grau de investimento passou a atrair muitos aplicadores, como fundos de pensão e seguradoras, que só investem em mercados mais seguros, com essa classificação por pelo menos duas agências de rating. E são eles que podem deixar o país em massa em caso de novo rebaixamento.

Para o sócio e gestor da Gramecy, Gunter Heiland, gestora do estado de Connecticut que tem US$ 5,6 bilhões aplicados em emergentes, a crise política é séria e os escândalos de corrupção que se acumulam só agravam a situação e ajudam a piorar a crise entre o Planalto e o Congresso.

Mesmo gestoras de Wall Street especializados em ativos de maior risco nos emergentes, como a Greylock Capital Management, que administra US$ 2 bilhões, mostram cautela com o Brasil. O diretor da gestora, Christopher Tackney, também ressaltou que a situação no país está complicada e diz que a deterioração ajuda a aumentar o movimento de diferenciação mesmo dentro da América Latina. Em outros momentos no passado de maior incerteza do mercado, uma situação como a do Brasil levaria a fuga de recursos de toda América Latina, disse Tackney. Mas agora os investidores diferenciam mais. A Colômbia, por exemplo, tem recebido recursos.

Com uma série de problemas que se acumulam, o Brasil tem questões, sobretudo fiscais, que se não forem resolvidas ficarão piores, avalia o economista-chefe para América Latina do UBS, Rafael de la Fuente, que mediou o debate e levantou as questões sobre os problemas brasileiros. 

Mais conteúdo sobre:
Crise Rebaixamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.