Cancelar ‘combo’ de serviços de telecomunicações dá trabalho ao consumidor

Cancelar ‘combo’ de serviços de telecomunicações dá trabalho ao consumidor

Antes de cancelar um pacote que junta serviços como, televisão por assinatura, telefonia e internet, é preciso checar questões como se há fidelização e qual o período e valor da multa em caso de rescisão

Economia & Negócios

27 de agosto de 2015 | 16h43

O consumidor interessado em cancelar algum serviço de Telecomunicações para enxugar o orçamento terá transtornos se o contrato for um “combo”, que junta diferentes serviços como televisão por assinatura, telefonia fixa e banda larga fixa, por exemplo.

Não é possível o cancelamento de apenas um dos serviços do combo, pois o contrato deve ser cancelado como um todo. Até porque a cobrança é feita num único documento referente a todos os serviços prestados no combo contratado.

Também antes de cancelar é preciso conferir se há fidelização, qual o período e valor da multa em caso de rescisão, antes do término do prazo. É preciso ficar atento, pois ainda poderá haver cobranças por contas em aberto.

Preço de um serviço vendido de forma avulsa não pode ser superior ao preço de um pacote vendido em 'combo' / Reprodução

Preço de um serviço vendido de forma avulsa não pode ser superior ao preço de um pacote vendido em ‘combo’ / Reprodução

Os combos não se configuram venda casada por que as empresas são obrigadas a fornecer os serviços que constam no pacote também de forma isolada. Mas o consumidor fica sem saída pois há ofertas conjuntas que tornam o serviço avulso mais caro.

Mas pelas regras da Anatel o preço de um serviço vendido de forma avulsa não pode ser superior ao preço de um pacote de serviços vendidos em conjunto (ou seja, o combo), em que o serviço está incluído em condições semelhantes de utilização.

É válido ressaltar também que é obrigação da operadora informar ao consumidor quanto ele pagará pelos serviços caso os contrate de forma conjunta ou avulsa.

Leia mais:

A transparência confusa dos ‘combos’

Tudo o que sabemos sobre:

direito do consumidortelecomunicações

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.