Leopoldo Silva/Agência Senado
Leopoldo Silva/Agência Senado

R$ 1,57 bi

E-Investidor: Tesouro Direto atrai mais jovens e bate recorde de captação

Alcolumbre recua e deixa professores entre categorias que podem ter reajuste até 2021

Na tarde desta quarta, 6, presidente do Senado divulgou parecer incluindo professores e policiais legislativos no grupo de servidores que terão os salários congelados até 2021; no início da noite, voltou atrás e "salvou" professores

Julia Lindner e Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

06 de maio de 2020 | 17h08
Atualizado 06 de maio de 2020 | 19h03

BRASÍLIA - O presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), anunciou no começo da noite desta quarta, 6, que decidiu deixar os professores de fora do grupo de servidores que não poderá ter reajuste salarial até 2021. Dessa forma, Alcolumbre retirou apenas os policiais legislativos das categorias que tinham sido beneficiadas pelos deputados. Mais cedo, Alcolumbre divulgou parecer que incluía os professores e os policiais legislativos no grupo de servidores que teriam os salários congelados até o ano que vem e  “salvou” outras categorias do congelamento.

Ele manteve entre as carreiras poupadas do congelamento militares das Forças Armadas, agentes da Polícia Federal e Polícia Rodoviária Federal, guardas municipais, agentes socioeducativos, profissionais de limpeza urbana, de assistência social, além dos profissionais da saúde que atuam no combate à covid-19

Apesar do recuo em relação aos servidores da educação, que atende parcialmente mudanças feitas na Câmara, Alcolumbre reclamou que os deputados fizeram um gesto "no sentido contrário" ao salvar categorias do congelamento. "Infelizmente a votação da Câmara só trouxe mais conflitos", disse antes de apresentar formalmente o parecer. Ele ponderou, no entanto, que o Senado é a Casa do equilíbrio e que buscaria a conciliação.

Em sua fala, Alcolumbre também chamou a atenção para a necessidade de equilíbrio fiscal para o período pós-pandemia. "Como vamos enfrentar os desafios depois da pandemia se deixarmos de lado o equilíbrio fiscal?", questionou. Alcolumbre disse, ainda, que milhões de pessoas no Brasil perderam direta ou indiretamente o sustento durante a pandemia, além de outros milhões não terem saneamento básico, nem condição de se alimentar.

Alcolumbre também rebateu críticas de servidores de que, ao propor congelamento do reajuste de determinadas categorias, estaria "sacrificando o servidor". "Isso é uma injustiça. Os servidores vão contribuir apenas com a suspensão do reajuste por 18 meses", reagiu. "O que estamos pedindo (aos servidores) é uma colaboração, uma contribuição", afirmou.

Ele pretende colocar em votação ainda nesta quarta-feira, 6, o projeto de auxílio emergencial aos Estados e municípios, informou a sua assessoria de imprensa. Relator do projeto, Alcolumbre já divulgou o seu parecer em relação às mudanças introduzidas ao texto aprovado na Câmara.

A proposta inicial negociada era de uma economia de R$ 130 bilhões em 18 meses - R$ 98 bilhões para Estados e municípios e R$ 32 bilhões para o governo federal. Na votação do Senado, a economia caiu para R$ 93 bilhões e, nesta terça, 5, na votação da Câmara, ficou em R$ 43 bilhões.

"Acatar essas exceções enfraqueceria o esforço fiscal dos entes públicos após a pandemia, quando não se saberá ainda a dimensão dos rombos nas contas públicas dos três níveis federativos”, diz Alcolumbre no parecer.  Segundo ele, esta foi a única solicitação feita aos servidores durante a maior crise econômica e de saúde pública da história recente.

“Estamos fazendo isso, justamente, para preservar a capacidade financeira dos entes federativos e, assim, conseguirem continuar a pagar seus servidores e militares em dia. Não nos parece um sacrifício exagerado”, acrescentou. 

Para os trabalhadores da iniciativa privada, o governo autorizou acordos para que os salários fossem reduzidos ou os contratos suspensos. De acordo com estimativas oficiais, 73% dos empregados com carteira assinada vão ser atingidos com uma das duas modalidades. Até o momento, 5,5 milhões de pessoas já tiveram o salário reduzido ou o contrato suspenso. 

O parecer voltou com a expressão “desde que diretamente envolvidos no combate à pandemia” para os servidores que ficarão de fora do congelamento. Essa expressão foi retirada pelos deputados, permitindo que os servidores excluídos do congelamento, mesmo que não tivessem na linha de frente do combate.

Divisão dos recursos

O parecer retoma a fórmula de distribuição de recursos aprovada pelo Senado e depois modificada na Câmara. O modelo foi criticado pelos deputados por favorecer o Estado de Alcolumbre, o Amapá.

Os deputados aprovaram um destaque do Novo para alterar o critério de distribuição dos R$ 7 bilhões destinados aos Estados para gastos com saúde e assistência social. Pelo texto aprovado no Senado, 40% desse recurso seriam distribuídos respeitando uma taxa de incidência da doença, um cálculo que considera a população do Estado e o número de contaminados.

No entanto, a Câmara decidiu retirar o termo "taxa de" para que, segundo o líder do Novo, deputado Paulo Ganime (RJ), o critério considere apenas o número absoluto de infectados. O partido defende que essa mudança corrige distorções geradas pela proporcionalidade. "Estados que estão à beira do colapso, como o Rio de Janeiro, seriam prejudicados", diz a justificativa do partido. 

O Amapá perde R$ 286 milhões da parcela que receberia do auxílio com o critério aprovado pela Câmara. O Estado, o segundo mais beneficiado pelo projeto do Senado, foi o que mais perdeu com votação desta terça-feira. A mudança da Câmara permitiu um aumento de R$ 920 milhões para os Estados do Sudeste, prejudicados pelo modelo anterior. São Paulo vai ficar com a maior parte do ganho: R$ 783 milhões de reforço do caixa. Já os Estados do Norte perderam R$ 796 milhões do repasse em relação ao texto aprovado pelo Senado. 

Após a mudança aprovada pelos deputados, Alcolumbre afirmou em sessão plenária no Senado que a Casa irá retomar os critérios definidos inicialmente. "Não tenho dúvida de que as alterações promovidas pela Câmara dos Deputados representam a força das bancadas do Sul e do Sudeste e nós aqui, no Senado, restabeleceremos o texto aprovado por quase a unanimidade do Senado", disse.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.