Gabriela Biló/Estadão
Gabriela Biló/Estadão

coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

As maiores perdas do Ibovespa entre janeiro e junho têm a ver com a covid-19

Entre elas estão empresas ligadas ao turismo e que dependem do contato social; a exceção é o IRB, que teve a maior perda de valor na Bolsa, por problemas estruturais e de confiança

Matheus Piovesana, O Estado de S.Paulo

03 de julho de 2020 | 09h00

Aéreas, CVC, Embraer, Cia Hering e Cogna. A lista das empresas do Ibovespa que mais perderam valor de mercado no primeiro semestre mostra o choque da covid-19 sobre setores da economia que, guardadas as diferenças, são movidos a contato social - o maior difusor da doença. A quase unanimidade de que os hábitos não serão os mesmos quando a pandemia passar leva o mercado a calcular quanto dos valores perdidos vai efetivamente retornar. Curiosamente, porém, a maior queda é a do ressegurador IRB Brasil, pouco ou nada afetado pela pandemia em termos operacionais.

"O IRB teve um problema estrutural, de desconfiança. Agora, tem de se reestruturar", diz Leonardo Hojaij, diretor do Andbank Brasil. O efeito da pandemia sobre as operações do ressegurador é mínimo, mas na Bolsa, menos gente quis pagar para ver o que aconteceria com o IRB no pico do estresse do mercado. Resultado: 72% do valor de Bolsa da empresa desapareceu em seis meses.

Para outros nomes, porém, a queda é reflexo direto do efeito da pandemia no dia-a-dia das empresas. Caso da Azul, que viu evaporar 65% do valor e, em dado momento, 90% da demanda. Assim como a Gol, a aérea chegou a 2020 nas carteiras de quem queria aproveitar uma esperada retomada da economia. Em questão de semanas, o mundo era outro. "A recuperação deve ser bem morosa, e o turismo já olha para 2021", diz Lucas Carvalho, analista da Toro Investimentos.

Se a necessidade de contato social é o que une as empresas que mais caíram, a vacina é a esperança comum a todas. "As aulas devem voltar em São Paulo em setembro, por exemplo. Mas será que, em setembro, todo mundo vai estar disposto a se expor a uma sala de aula?", diz Hojaij.

Um exemplo de que só reabrir não é a solução está no setor de shoppings. Pesquisa da Associação de Lojistas de Shoppings (Alshop) e da Associação Brasileira dos Lojistas Satélites (Ablos), publicada pelo Estadão no último sábado, 27, mostra que o faturamento de quem abriu as portas na cidade de São Paulo está entre 15% e 20% do que se via há um ano.

"Não há uma predisposição dos consumidores em ir às lojas", afirma Hojaij. É o que coloca em lados opostos do índice a B2W, que quase dobrou de valor com a pandemia, e a Cia Hering, ainda muito dependente do varejo físico, e que perdeu 58% do valor em seis meses.

Confira quais empresas do Ibovespa mais perderam valor em 2020  

  1. IRB Brasil Re: tinha R$ 36,457 bi em 01/01 e depois R$ 10,296 bi em 30/16. A varicação porcentual é de -72% 
  2. Azul: tinha R$ 19,195 bi em 01/01 e depois R$ 6,623 bi em 30/06. A variação porcentual é de -65% 
  3. Embraer: tinha R$ 14,609 bi em 01/06 e depois R$ 5,990 bi em 30/06. A variação porcentual é de -59% 
  4. CVC Brasil: tinha R$ 6,529 bi em 01/01 e depois R$ 2,704 bi em 30/06. A variação porcentual é de -58% 
  5. Cia Hering: tinha R$ 5,532 bi em 01/01 e depois R$ 2,327 bi em 30/06. A variação porcentual é de -58% 
  6. Gol: tinha R$ 13,089 bi em 01/01 e depois R$ 6,594 bi em 30/06. A variação porcentual é de -50% 
  7. BRMalls: tinha R$ 15,761 bi em 01/01 e depois R$ 8,797 bi em 30/06. A variação porcentual é de -44% 
  8. Santander Brasil: tinha R$ 183,772 bi em 01/01 e depois R$ 105,674 bi em 30/06. A variação porcentual é de -42% 
  9. Cogna: tinha R$ 18,793 bi em 01/01 e depois R$ 10,868 bi em 30/06. A variação porcentual é de -42% 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.