Agência Brasil
Agência Brasil
Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Novo Bolsa Família 'esconde' pobreza do País

Especialistas apontam que linha de pobreza deveria estar hoje em R$ 260 para garantir uma cobertura justa à realidade atual, mas governo fala em R$ 190

Adriana Fernandes*, O Estado de S.Paulo

19 de junho de 2021 | 04h00

Independentemente do valor (R$ 250, R$ 270, R$ 300), o debate do novo programa Bolsa Família no governo e no Congresso Nacional tem passado longe de uma solução consistente para o maior problema, hoje, ao enfrentamento da pobreza acelerada gerada com a pandemia da covid-19: o alcance das pessoas ao benefício.

Quem tem acesso ou não ao programa é definido pelo valor da linha de pobreza. Ou seja, a renda per capita dos membros da família. É esse limite “administrativo” que aponta a família que é elegível ao programa.

A linha de pobreza está hoje em R$ 178. Pelas simulações do governo obtidas pela coluna, o valor deve subir para R$ 190. No Ministério da Cidadania, há uma proposta para subir um pouco mais, para R$ 195. É pouco para o cenário após a pandemia.

Especialistas experientes apontam que o limite deveria estar hoje em R$ 260 para garantir uma cobertura justa à realidade atual. Ou seja, que os verdadeiramente pobres do País tenham acesso ao benefício.

O valor médio do benefício precisa ser bem calibrado com a linha da pobreza, se o governo quiser fazer uma reformulação do Bolsa Família bem-sucedida. Para não deixar ninguém para trás. Slogan, aliás, que Bolsonaro e seus ministros gostam tanto de propagar.

Os R$ 54 bilhões previstos até o momento pelo governo não são suficientes para dar o aumento do benefício e incorporar quem está vivendo na pobreza de fato, já que a linha de pobreza está defasada.

Esse valor vai ditar também a velocidade do fim da fila do programa, estimada em 1,2 milhão de famílias. A maior parte delas está hoje recebendo o auxílio emergencial. Mas o que acontecerá com essas pessoas depois que o auxílio acabar? Como ficarão os vulneráveis que não estão recebendo nem auxílio nem o Bolsa, mesmo tendo direito ao benefício?

Quanto menor a linha de pobreza, menor será o número de pobres. Um achatamento fictício da pobreza no País ocorre, na prática, quando o critério administrativo fica muito distante das condições reais de vida da população. Sem uma correção equilibrada do valor, acaba-se diminuindo de modo ficcional o número de pobres no programa.

O problema de fundo é que tanto a cobertura como o valor do benefício estão descasados em função de anos sem correção e pela ideia equivocada, ainda muito presente no governo, de que as pessoas que pedem para entrar no programa não querem trabalhar.

As discussões estão centradas no valor médio do benefício e na disputa eleitoral em torno da popularidade que o seu reforço pode garantir a Bolsonaro. Afinal, é esse valor que vai aparecer na eleição.

Bolsonaro pode até mandar subir de R$ 250 para R$ 300 (Flávio Bolsonaro falou depois em R$ 270), mas corre o risco de a demanda do presidente ser cumprida às custas de não atender quem precisa. Ou, mais grave ainda, o programa sair menor do que estava planejado porque outras demandas estão entrando no radar, como o reajuste dos servidores e mais investimentos para obras paroquiais. Um repeteco do que aconteceu no ano passado, quando não se buscou espaço orçamentário para reforçá-lo.

O varejão da política observado na MP da privatização da Eletrobrás, na antessala do ano eleitoral, é a prova dos riscos que estão por vir nas propostas de reformas e outros projetos do governo. O Bolsa Família, o Refis e o projeto de reformulação do Imposto de Renda, que deve chegar semana que vem ao Congresso, estão nessa lista.

Esse filme está passando em alta velocidade enquanto a pandemia ainda não permite que o Congresso tenha as portas completamente abertas ao público com olhos mais vigilantes às negociações fechadas dos gabinetes parlamentares. O debate é quase nenhum.

A maioria por lá parece pouco incomodada, e a corrida é grande para tratorar tudo o quanto antes. Quem acha que a discussão do Orçamento de 2021 foi sangrenta, espera para ver a de 2022. O apetite é voraz.

*É REPÓRTER ESPECIAL DE ECONOMIA  

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.