Vahid Salemi/AP
Vahid Salemi/AP

Juros

E-Investidor: Esperado, novo corte da Selic deve acelerar troca da renda fixa por variável

Mesmo com corte na taxa de juro americana, dólar fecha em nível recorde e Bolsa termina em queda

BC dos EUA faz corte extraordinário de juros para tentar conter efeitos do coronavírus; Bolsa não conseguiu sustentar a o impulso e fechou em queda de 1,02%, aos 105.537,14 pontos

Maria Regina Silva, Gabriel Bueno da Costa e Iander Porcella, O Estado de S.Paulo

03 de março de 2020 | 11h09
Atualizado 03 de março de 2020 | 18h25

A decisão do Fed de cortar a taxa de juros em 50 pontos-base, para faixa entre 1,0% e 1,25% afetou o câmbio: o dólar, que chegou à máxima de R$ 4,5084 antes do anúncio do corte de juros, teve uma queda momentânea, para voltar a subir em seguida. A moeda à vista fechou em alta de 0,55%, a R$ 4,5117, no novo nível recorde. 

Bolsa

O Ibovespa renovou a máxima e ultrapassou os 108 mil pontos logo após um inesperado corte na taxa de juros pelo Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) nesta terça-feira 3, na tentativa de abrandar os impactos do coronavírus sobre a economia global.

Mas as Bolsas não sustentaram o impulso dado pelo anúncio da autoridade monetária americana. Depois de atingir a máxima de 108.702,84 pontos, acompanhando a alta acima de 1% em Nova York, o Ibovespa fechou em baixa de 1,02%, a 105.537,14 pontos.

Em Nova York  os índices acionários também caíam, puxados por ações do setores bancário e de tecnologia. O Dow Jones fechou em queda de 2,94%, aos 25.917,41, o Nasdaq teve queda de 3,14% e encerrou aos 8.671,41 pontos, e o S&P 500 cedeu aos 2,85% e terminou aos 3.002,00 pontos. 

O Fed cortou a taxa de juros em 50 pontos-base, para faixa entre 1,0% e 1,25%. A instituição diz em breve comunicado que os fundamentos para a economia dos Estados Unidos "continuam fortes", mas que o coronavírus representa "riscos à atividade econômica".

"Diante desses riscos e em apoio à busca das metas de máximo emprego e estabilidade de preços, o Comitê Federal de Mercado Aberto decidiu hoje reduzir a faixa dos fed funds", diz a nota. "O Comitê monitora de perto os acontecimentos e suas implicações para a perspectiva econômica e usará todos os instrumentos para agir como apropriado para apoiar a economia." O comunicado informa ainda que a decisão de política monetária foi unânime.

De manhã ministros de Finanças e presidentes dos bancos centrais do G-7 discutiram o avanço do coronavírus - em comunicado, o grupo disse estar pronto para combater  disseminação da doença, mas não anunciou medidas de estímulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.