Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Covid-19

Bill Gates tem um plano para levar a cura do coronavírus ao mundo todo

Imagem Adriana Fernandes
Colunista
Adriana Fernandes
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Bolsonaro quer pegar carona no 'orçamento de guerra' para abrir cofre para reeleição

Motivação do presidente Jair Bolsonaro em dar sinal verde para o anúncio de um programa visivelmente ainda inacabado tem dois focos: desviar atenção das mortes crescentes no Brasil pelo novo coronavírus e pegar também carona no orçamento de guerra

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

23 de abril de 2020 | 13h29

Muitas vezes apontados por integrantes do governo como “bons planejadores”, os militares do Palácio do Planalto decepcionaram na quarta-feira, 22. Os sete slides de apresentação do lançamento programa Pró-Brasil viraram motivo de chacota pelo conteúdo vazio e a constatação de que o programa desenhado pela ala militar do governo, com a participação dos ministros de Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, e Desenvolvimento Regional, Rogério Marinho, não passa, por enquanto, de um rascunho mal desenhado. 

O quarto slide do powerpoint, intitulado “abrangência do programa", apresentado pelo ministro da Casa Civil, general Braga Netto, é um amontoado de setas e palavras desconectadas, sem nenhuma explicação.

Independente do debate legítimo sobre a necessidade ou não de o governo ser obrigado a dar um empurrão nos investimentos para ajudar na recuperação da economia pós-covid 19, a motivação do presidente Jair Bolsonaro em dar sinal verde para o anúncio de um programa visivelmente ainda inacabado tem dois focos. 

Em primeiro lugar, desviar atenção das mortes crescentes no Brasil pelo novo coronavírus. Mas o objetivo cirúrgico por trás do plano Pró-Brasil é pegar também carona no orçamento de guerra, Proposta de Emenda Constitucional (PEC) em tramitação no Congresso, que dará a ele cheque em branco para gastos com a covid-19, para abrir o cofre do Tesouro e acelerar a volta do crescimento a tempo da campanha eleitoral de 2022. 

A urgência do Palácio do Palácio em dar uma cara e roupagem para o programa se justifica. O estado de calamidade pública, aprovado pelo Congresso, termina em dezembro. Até lá, o governo, com a justificativa de dar uma resposta aos efeitos da covid-19, poderá editar créditos extraordinários que ficam fora do teto de gastos – o entrave legal para a gastança em tempos de eleições. Não é por outra razão que, com o cofre cheio do governo e aparentemente sem limites para gastar, as tradicionais lideranças da velha política ensaiam uma aliança com Bolsonaro. É o cheiro do dinheiro. 

É um filme já visto nos governos dos ex-presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, que aproveitaram para estender as medidas adotadas para o enfrentamento da crise financeira internacional de 2008-2009 de olho na manutenção do poder.

A dúvida que fica até o momento é se o ministro da Economia, Paulo Guedes, vai ceder espaço na sua política liberal de diminuição do Estado e maior participação do setor privado no crescimento para entrar no jogo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.