Thomas Peter/Reuters
Thomas Peter/Reuters

China admite que está em 'guerra comercial' e ameaça retaliar EUA

Pequim afirmou que terá de adotar 'medidas abrangentes' se Washington tarifar em 10% mercadorias compradas no País

Mateus Fagundes e Victor Rezende, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 02h07

A China endureceu o tom e admitiu pela primeira vez de maneira oficial que está em "guerra comercial" com os Estados Unidos. Em comunicado no qual critica a nova ameaça de barreira feita pelo governo americano, o Ministério do Comércio chinês afirmou que Pequim terá de adotar "medidas abrangentes" se Washington prosseguir com o plano de tarifar em 10% o montante de até US$ 400 bilhões de mercadorias compradas do País.

Para a China, as "medidas abrangentes vão combinar quantidade e qualidade para se chegar a uma forte contramedida". "Os Estados Unidos violaram as leis do mercado, não entenderam a lógica de desenvolvimento do mundo, prejudicam empresas e a população não apenas de ambos os países como do mundo todo", afirmou nota do Ministério do Comércio da China.

No texto, publicado em seu site, a autoridade comercial chinesa disse que o País vai continuar o ritmo estabelecido das reformas e da abertura, "independente de mudanças do cenário externo".

+ ‘Não sabemos para onde essa guerra comercial vai’

A escalada da tensão comercial entre Estados Unidos e China teve início na sexta-feira, 15, quando Washington publicou a lista de produtos chineses que seriam alvo de tarifação de 25%. Parte da barreira sobre US$ 50 bilhões em produtos passa a valer a partir de 6 de julho. Pequim respondeu em igual medida, abarcando mercadorias como a soja e produtos automotivos.

Em reação, o presidente americano, Donald Trump, ordenou nesta segunda-feira, 18, uma investigação contra US$ 200 bilhões de produtos comprados da China, que podem ser alvo de tarifação adicional de 10%. Adiantando-se à retaliação de Pequim, o republicano disse que o volume em mercadorias pode ser elevado para US$ 400 bilhões.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.