Ernesto Rodrigues/Estadão
Ernesto Rodrigues/Estadão

Maior parte do Congresso apoia reforma da Previdência

Pesquisa do BTG indica que governo tem votos para mudar Previdência, mas idade mínima igual para homem e mulher não tem maioria

André Ítalo Rocha e Luciana Dyniewicz, O Estado de S.Paulo

11 de fevereiro de 2019 | 14h25

Apesar de mais de três quintos dos congressistas dizerem concordar com a reforma da Previdência – o mínimo necessário para aprovação do projeto –, a maioria deles não apoia a idade mínima igual para homens e mulheres, segundo pesquisa encomendada pelo banco BTG Pactual. A idade mínima de 65 anos para ambos os sexos é uma das propostas da equipe econômica do governo Jair Bolsonaro, segundo a minuta do projeto, antecipada pelo ‘Estadão/Broadcast’ na semana passada.

O levantamento do BTG mostra que a necessidade de reformar a Previdência é defendida por 82% dos deputados e 89% dos senadores. O apoio chega a ser de 100% em dois partidos, considerando a soma nas duas casas: PP e PSDB. O PSL, do presidente Bolsonaro, aparece com 92%. O PT, da oposição, é o que menos concorda, com 37% de parlamentares favoráveis.

A idade mínima, considerada o ponto mais importante da reforma por economistas especializados, conta com apoio insuficiente na proposta de 65 anos para homens e de 62 anos para mulheres, e menos ainda na que estabelece 65 anos para ambos os sexos.

Os resultados dão a entender que os parlamentares querem uma idade mínima diferenciada para homens e mulheres, porém com números inferiores à proposta de 65 anos para eles e 62 para elas. Ainda nos primeiros dias do seu mandato, Bolsonaro chegou a propor 62 anos para homens e 57 para mulheres. 

Outro ponto polêmico da reforma previdenciária, a igualdade de regras para trabalhadores urbanos e rurais também não deve ter força para ser aprovada. Apenas 19% dos deputados e 30% dos senadores dizem ser a favor da medida.

A pesquisa mostra ainda que a inclusão dos militares na reforma tem apoio expressivo. Na Câmara, 85% são favoráveis, enquanto 78% defendem a medida no Senado. Quando a análise é feita por partido, o PSL, de Bolsonaro, e o PDT são os que menos defendem a inclusão da categoria, com 64%. No MDB e no PSB, o apoio é de 100%.

A criação do regime de capitalização divide os parlamentares: 48% dos deputados são a favor, o mesmo porcentual entre os senadores. Em relação ao período de transição, 38% dos deputados defendem um período mais curto, de dez anos, com idade mínima menor. Entre os senadores, 48% são a favor desse formato. Para um período mais longo (de 20 anos), com idade mínima maior, na Câmara o apoio é de 34%, enquanto no Senado é de 22%. 

O levantamento, produzido pela FSB Pesquisa, ouviu 262 parlamentares e tem margem de erro de 4,5 pontos porcentuais.

Fim de privilégios é prioridade

Entre a população, apesar de não haver apoio expressivo à reforma, a grande maioria diz que o projeto precisa acabar com o privilégio de políticos e funcionários públicos. Pesquisa da Ideia Big Data aponta que enquanto 84% dos brasileiros defendem o fim dos privilégios, 43% dizem que a reforma é fundamental para o País. 

“Há uma dissonância nisso. A pesquisa mostra que muita gente ainda não compreende o que a reforma significa na prática”, diz o presidente do instituto de pesquisa, Maurício Moura. 

Pouco mais de 60% dos entrevistados pela Ideia afirmou que deverá protestar – nas ruas ou nas redes sociais – caso os políticos e os funcionários públicos não entrem na reforma.

A pesquisa, que consultou 1.891 pessoas por telefone e tem margem de erro de 2,45 pontos porcentuais, indica ainda que quase metade (49%) dos ouvidos acham fundamental que as empresas também contribuam com as aposentadorias. Outros 33% discordam dessa medida e 18% se mostraram indiferentes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.