Governo libera R$ 2 bi em microcrédito para beneficiários de programas sociais

Governo libera R$ 2 bi em microcrédito para beneficiários de programas sociais

Em seis meses, população de baixa renda acessou R$ 1,94 bilhão em microcrédito por meio de parcerias com instituições financeiras

Adriana Fernandes, O Estado de S.Paulo

15 Março 2018 | 20h49

BRASÍLIA- Em seis meses, a população de baixa renda acessou R$ 1,94 bilhão em microcrédito por meio de parcerias com instituições financeiras para fortalecer pequenos negócios.  Esse  é o primeiro levantamento do Plano Progredir, um pacote de medidas do governo federal para buscar a autonomia das famílias de baixa renda, principalmente os beneficiários do Bolsa Família e os inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal.

As concessões foram possíveis a partir de Resolução 4574/2017 do Conselho Monetário Nacional, que priorizou o microcrédito para o público do Cadastro Único. Além do acesso aos recursos, os beneficiários também receberam orientações e assistência técnica que auxiliam na abertura dos empreendimentos. Lançado em setembro de 2017, sob a coordenação do Ministério do Desenvolvimento Social (MDS), o plano reúne também ações para qualificação profissional e acesso ao mercado de trabalho.

+ Trabalhador gasta, em média, R$ 751 por mês com almoço no Brasil

A divulgação dos primeiros números do Plano Progredir ocorre poucos dias depois do presidente Michel Temer ter negado informações de que o Bolsa Família – vitrine da área social do governo Lula - iria acabar. Conforme mostrou a Coluna do Estadão, o governo estuda mudar o nome do programa Bolsa Família.  Uma das opções que chegou a ser analisada foi rebatizar o programa de Bolsa Dignidade. O governo pretende reajustar os benefícios do bolsa ainda este ano. 

+ Governo aguarda publicação das tarifas ao aço para pedir recurso aos EUA, afirma ministro

O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, afirmou que o plano "progredir" articula ofertas dos setores público e privado para os mais pobres. Segundo ele, 68 mil empregos formais criados e 84 mil pessoas qualificadas.  Além do acesso aos recursos, os beneficiários também receberam orientações e assistência técnica que auxiliam na abertura dos empreendimentos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.