Felipe Rau/ Estadão
Felipe Rau/ Estadão

Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Indústria deixa Brasil no 33º lugar em ranking de produção com 44 países

Lista foi elaborada pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial e considera a produção acumulada de janeiro a outubro de 2019 a partir de dados dos próprios países, da OCDE e de órgãos de estatísticas da União Europeia

Daniela Amorim, O Estado de S.Paulo

09 de janeiro de 2020 | 07h00

RIO - Os percalços enfrentados pela indústria nacional em 2019 fizeram o Brasil figurar na 33ª colocação num ranking internacional de crescimento da produção industrial, composto por 44 países. A lista foi elaborada pelo Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi) e obtida com exclusividade pelo Estadão/Broadcast.

O ranking considera a produção acumulada de janeiro a outubro de 2019, a partir de dados dos próprios países, da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e da Eurostat, o órgão de estatísticas da União Europeia (UE). A indústria brasileira acumulou um recuo de 1,1% no período, ficando à frente de países industrializados como Japão (-1,7%), Coreia do Sul (-1,8%) e Alemanha (-4,0%), mas consideravelmente abaixo da mediana da amostra considerada, com alta de 0,9%.

Embora haja recuperação do consumo das famílias brasileiras, a demanda por investimentos ainda não mostra recuperação consistente, o que prejudica a indústria nacional, em meio a um cenário externo também desfavorável, explicou Rafael Cagnin, economista-chefe do Iedi.

“O ambiente externo desfavorável gera dois efeitos: dificulta a gente exportar e, como acirra a concorrência internacional, os países com maior competitividade tendem a traçar estratégias mais agressivas para entrada no Brasil. Então existe um ambiente concorrencial lá fora, mas aqui dentro também”, explicou Cagnin.

“Boa parte daquilo que a indústria produz, em muitos ramos são bens voltados à Formação Bruta de Capital Fixo. Ou seja, é investimento. E mesmo que tenha alguma reação, a base (de comparação) é muito baixa”, completou.

Apesar de ter decepcionado as previsões de especialistas na virada do ano, o resultado da indústria brasileira no acumulado de janeiro a outubro foi ligeiramente melhor do que era de janeiro a setembro, quando a produção acumulava um recuo de 1,4%, ocupando a 35ª colocação no ranking.

O saldo negativo no dinamismo industrial do Brasil sucede um crescimento de 1,0% no acumulado de 2018 e avanço de 2,5% no acumulado do ano de 2017.

A perspectiva para 2020 é favorável, avalia Cagnin, que prevê um avanço entre 1,5% a 2% na indústria brasileira em 2020.

“No fundo, o cenário é de resgate da trajetória de recuperação, que foi interrompida do terceiro trimestre de 2018 ao segundo trimestre de 2019. A gente deve retomar essa trajetória de recuperação lenta, mas um pouco mais consistente do que foi em 2019”, estimou o economista-chefe do Iedi.

No entanto, ainda não está no radar que a indústria brasileira recupere todas as perdas acumuladas durante a crise.

“Vai demorar um tempo. Não está no script pros próximos anos uma recuperação completa. A gente tá num nível algo como 12% abaixo do pico lá atrás, do período pré-crise. Crescendo 1,5% e 2%, a chance de completar 12%...”, lembrou Cagnin.

A piora no desempenho da indústria brasileira em 2019 não foi um fenômeno isolado. A produção industrial mundial também desacelerou, passando de uma alta de 2,2% no primeiro trimestre de 2019 a elevação de 1,2% no terceiro trimestre, na comparação com igual período do ano anterior.

Entre as nações industrializadas, a produção saiu de crescimento de 0,4% de janeiro a março para queda de 0,5% de abril-junho, seguida de recuo de 0,7% de julho a setembro de 2019. Se consideradas as economias emergentes ou em desenvolvimento, com exceção da China, a produção desacelerou de uma elevação de 0,9% no primeiro trimestre para uma taxa de 0,2% no terceiro trimestre de 2019.

Segundo o Iedi, o que preocupa em relação ao Brasil é o fato de o setor industrial local ter passado por uma aguda crise de 2014 a 2016, e ainda assim ter voltado a registrar perdas na produção durante o processo de recuperação.

“É uma desaceleração em cima de uma base de comparação já muito baixa, que foi a da crise de 2014 a 2016. Então tem outro significado esse movimento de perda de ritmo no Brasil. Também existe no resto do mundo, mas no Brasil é diferente porque não só a indústria está no negativo como também saiu de uma crise muito profunda”, argumentou Cagnin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.