André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Mercado vê PIB menor, de 1,55%, e inflação mais alta para 2018

Expectativa anterior era de avanço de 1,76% do Produto Interno Bruto; projeção de inflação aumentou de 3,88% para 4%

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

25 Junho 2018 | 12h11

BRASÍLIA - A expectativa de alta para o PIB este ano foi de 1,76% para 1,55%, conforme o Relatório de Mercado Focus, divulgado nesta segunda-feira pelo Banco Central. Há quatro semanas, a estimativa era de crescimento de 2,37%. Para 2019, o mercado reduziu a previsão de alta do PIB de 2,70% para 2,60%, ante 3% de quatro semanas atrás.

+ Fazenda alerta candidatos sobre real situação fiscal

Em 15 de junho, o BC havia informado que o IBC-Br subiu 0,46% em abril ante março, na série com ajuste sazonal. O indicador é considerado uma espécie de "prévia" para o PIB. No acumulado do ano, houve avanço de 1,55% do IBC-Br.

Na semana passada, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central manteve a Selic em 6,50% ao ano. Ao tratar da atividade, o BC lembrou em seu comunicado que a greve dos caminhoneiros dificulta a leitura da evolução recente da economia. Ao mesmo tempo, afirmou que seu cenário básico contempla continuidade do processo de recuperação da economia, "em ritmo mais gradual".

A projeção atual do BC, que será atualizada na próxima quinta-feira, do Relatório Trimestral de Inflação (RTI), é de alta de 2,6% para o PIB em 2018. O Ministério da Fazenda trabalha com um porcentual de 2,5%.

+ Por que o câmbio preocupa os emergentes?

Inflação. Os economistas do mercado financeiro elevaram a previsão para a inflação de 2018: mediana para o IPCA este ano foi de 3,88% para 4%. Há um mês, estava em 3,60%. Já a projeção para o índice em 2019 permaneceu em 4,10%. Quatro semanas atrás, estava em 4%.

A projeção dos economistas para a inflação em 2018 está dentro da meta deste ano, cujo centro é de 4,5%, com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual (índice de 3,0% a 6,0%). Para 2019, a meta é de 4,25%, com margem de 1,5 ponto (de 2,75% a 5,75%).

Entre as instituições que mais se aproximam do resultado efetivo do IPCA no médio prazo, denominadas Top 5, a mediana das projeções para 2018 no Focus foi de 3,83% para 3,84%. Para 2019, a estimativa do Top 5 seguiu em 4,00%. Quatro semanas atrás, as expectativas eram de 3,24% e 3,75%, respectivamente.

Na quinta-feira passada (21), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) informou que o Índice de Preços ao Consumidor Amplo -15 (IPCA-15) de junho subiu 1,11%. No acumulado do ano até junho, o IPCA-15 subiu 2,35% e, em 12 meses, avançou 3,68%. Também com influência sobre as projeções de inflação do mercado, o dólar à vista acumula alta de 14,01% em 2018.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.