André Dusek/Estadão - 9/1/2018
André Dusek/Estadão - 9/1/2018

Open banking: quase metade dos brasileiros teme compartilhamento de seus dados bancários

Novo sistema vai permitir que instituições financeiras compartilhem informações dos clientes; pesquisa da TecBan e do instituto Ipsos ouviu mil pessoas de 18 a 59 anos

Fabrício de Castro, O Estado de S.Paulo

28 de julho de 2021 | 15h00

BRASÍLIA - Às vésperas de o open banking começar de fato a funcionar no País, os brasileiros estão preocupados com sua privacidade financeira. Pesquisa feita pela TecBan e pelo instituto Ipsos com homens e mulheres entre 18 e 59 anos mostra que 46% deles estão preocupados com o uso de seus dados financeiros caso utilizem serviços ligados ao open banking. O porcentual é menor que os 49% verificados em um levantamento de 2019, mas ainda reflete quase metade da população adulta brasileira.

O open banking é o sistema brasileiro de compartilhamento de informações de clientes, que está em fase de desenvolvimento pelo Banco Central e pelas próprias instituições financeiras. A segunda fase do sistema, marcada originalmente para começar em 15 de julho, foi adiada para 13 de agosto. Nessa etapa, as instituições poderão começar a compartilhar dados do cliente, desde que haja anuência dele.

A expectativa é de que, a partir dessa etapa, comecem a surgir serviços financeiros inovadores, novos aplicativos e que a concorrência bancária aumente. O BC tem defendido que isso abrirá espaço para o barateamento de operações financeiras, como a obtenção de crédito.

Na pesquisa feita em junho com mil brasileiros de todas as regiões do País, das classes A, B e C, o Ipsos buscou medir a aceitação do open banking. A TecBan, companhia conhecida por administrar os caixas do Banco24Horas, é controlada por alguns dos principais bancos do País. 

Ao serem questionados se teriam "prazer" em compartilhar informações financeiras a provedores terceiros para utilizar serviços ligados ao sistema, apenas 40% responderam afirmativamente. Em 2019, a aceitação era maior, com 44%.

A pesquisa mostra ainda o que mais preocupa os brasileiros adultos no novo mundo de tecnologia financeira que se anuncia. Entre as cinco principais preocupações, 49% citaram os crimes financeiros - mais especificamente, a preocupação de que os dados sejam acessados por criminosos. Outros 46% se preocupam com a forma como os dados serão utilizados e 43% demonstraram receio com o fato de que os dados perderão o anonimato. No levantamento, 40% citaram preocupação com a falta de proteção dos dados e 35% disseram ter receio ligado a quem terá acesso às informações.

Na pesquisa, chama também a atenção o fato de 57% dos brasileiros adultos dizerem esperar que o aplicativo do futuro tenha proteção contra fraude, "me conectando a um time de atendimento caso algo seja detectado".

Essa expectativa ligada à proteção supera até mesmo o desejo, expresso por 50% dos adultos, de que o aplicativo do futuro permita o pagamento de contas - mais do que a funcionalidade, as pessoas estão preocupadas com a segurança.

Apesar dos receios, a pesquisa sugere que o uso de tecnologia no mercado financeiro e de pagamentos é um caminho sem volta. Isso porque 71% dos adultos disseram se sentir "à vontade" usando novas tecnologias.

A pesquisa mostrou ainda que 73% dos entrevistados disseram que confiariam em um "banco estabelecido" para fornecer serviços ligados ao open banking. Na outra ponta, 46% confiariam em um "banco mais novo" e apenas 4% em "uma nova fintech".

Entenda o novo sistema

O que é open banking?

É um sistema que vai permitir o compartilhamento de dados dos clientes entre instituições financeiras - bancos, fintechs e cooperativas de crédito -, desde que autorizado pelo consumidor. 

Como o open banking funciona?

A comunicação entre os bancos se dará por meio de APIs (Application Programming Interface). É uma tecnologia semelhante à que se utiliza no compartilhamento de logins entre sites - por exemplo, quando os dados de autenticação de uma rede social são usados para logar no sistema de uma plataforma de streaming. 

O que muda para o consumidor?

O open banking deve proporcionar uma igualdade de condições para as instituições financeiras em termos de ofertas, o que deve aumentar a concorrência entre elas e garantir melhores oportunidades para o consumidor. Tendo acesso a propostas de diferentes instituições, ele poderá escolher o produto mais adequado e com condições melhores. No futuro, em apenas um aplicativo será possível gerenciar produtos e serviços de 2, 3 e até mais bancos. 

O open banking é seguro?

O Banco Central garante que sim. Os dados ficarão dentro das bases dos bancos, como já ocorre hoje. Não existirá centralização das informações em “nuvem”. 

Qual é o cronograma de implementação?

A partir de 13 de agosto, os clientes passam a ter acesso ao open banking, podendo autorizar o compartilhamento de dados com instituições financeiras com as quais ainda não têm relacionamento. Nessa fase, será possível trocar informações sobre cartões de crédito e operações de crédito. A partir de 30 de agosto, será possível realizar transações entre instituições financeiras por meio do sistema, não só compartilhar dados. 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.