Wilton Junior|Estadão
Wilton Junior|Estadão

Petrobrás terá liberdade para aplicar reajustes de acordo com as condições do mercado

Pedro Parente também explicou que foi definido junto ao governo que a periodicidade das correções de preços passará de diária para mensal

Fernanda Nunes e Karin Sato, O Estado de S.Paulo

29 Maio 2018 | 17h01

A Petrobrás terá liberdade para aplicar o reajuste derivado das condições de mercado, independentemente da periodicidade, explicou nesta terça-feira, 29, o presidente da estatal, Pedro Parente, em teleconferência com analistas e investidores.

"Independentemente da periodicidade, a prerrogativa é de reajustes necessários. Esperamos poder passar por isso sem maiores consequências à operação da empresa", disse o executivo. "O importante é manter as margens de lucro na operação."

No entanto, ele lembrou que a empresa não tem poder de fixar os preços do petróleo e o câmbio. "Discutimos em Brasília o que é relevante na política de preços", ressaltou.

Ele explicou que é possível que a empresa tenha nova fórmula de reajuste. Conforme explicação da companhia, foi definido junto ao governo que a periodicidade dos reajustes de preços passará de diária para mensal.

++ AGU e Petrobrás pedem que TST impeça greve de petroleiros

Preço. Na semana passada, profissionais do mercado relataram ao Estadão/Broadcast receio quanto ao mecanismo de subsídios a serem pagos pelo governo à Petrobrás e a outros fornecedores de diesel para que os preços estejam dentro das reivindicações dos caminhoneiros. Pedro Parente esclareceu que a medida é válida para o ano de 2018.

++ Secretário de Mobilidade e Transporte de SP diz que estoque de combustível está no limite

O executivo disse ainda na teleconferência que a crise causada pelos protestos dos caminhoneiros não interfere no cronograma da empresa e no seu plano estratégico. Em diversos momentos, na teleconferência, ele disse que as "metas e métricas" da Petrobrás estão mantidas e a diretoria "vai alcançá-las".

Questionado por analistas se a interferência do governo nos preços dos combustíveis não afetará o eventual interesse de investidores pelos ativos de refino da estatal que estão à venda, o executivo afirmou que a diretoria não viu consequências nesse sentido. 

Abastecimento. Pedro Parente aproveitou a teleconferência para tentar reverter a trajetória de queda das ações da empresa, iniciada com o anúncio de mudanças no preço do diesel para conter a greve dos caminhoneiros, na semana passada.

Ele iniciou sua fala fazendo uma retrospectiva dos últimos dias de crise. O executivo destacou que mesmo após divulgar que os preços permaneceriam congelados por 15 dias e também que seriam reduzidos em 10%, e também após os primeiros movimentos do governo para tentar conter os protestos, o problema de abastecimento permaneceu.

Hoje, em sua opinião, já "há uma melhora progressiva no abastecimento do País", embora a situação ainda não esteja normalizada. Ao analisar a crise, Parente ainda afirmou que ficou claro para todo o mercado e população que o debate sobre o preço dos combustíveis está interligado às discussões sobre impostos.

++ Se reivindicações não forem atendidas, FUP pretende parar produção por tempo indeterminado

Ele comentou ainda que "a discussão pública da política de preços foi personificada" nele e que, em alguns momentos, ficou parecendo que a solução do problema passaria pela sua demissão. Essa é uma das pautas de reivindicações da Federação Única dos Petroleiros (FUP), que inicia uma greve de 72 horas na quarta-feira, 30.

Segundo Parente, a operação nas refinarias foi afetada pela crise, mas a empresa conseguiu administrar a atividade, atuando também na área logística. "Estamos trabalhando estoques, logística, a programação de produção e parcerias. Consequências em relação à operação tiveram. Mas tomamos as medidas cabíveis", afirmou. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.