Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Rio reverte decisão da Justiça para quitar salários de servidores

Estado reverteu decisão da Justiça que suspendeu crédito de R$ 2,9 bilhões; 13º deste ano deve ser pago em janeiro

Vinicius Neder, O Estado de S.Paulo

20 Dezembro 2017 | 20h41

Uma decisão da Justiça do Trabalho do Rio, que na terça-feira, 19, congelou a operação de crédito de R$ 2,9 bilhões do governo estadual com o banco BNP Paribas, postergou em cerca de seis horas o pagamento de R$ 1,8 bilhão em salários atrasados para os servidores.

A Secretaria de Estado de Fazenda se programou para receber o primeiro depósito do empréstimo às 9 horas de terça-feira, mas o dinheiro entrou às 15h, após a Procuradoria-Geral do Estado (PGE-RJ) reverter a decisão judicial.

++PEC prevê fim de pagamento de aposentadoria a ex-governadores do SC

A expectativa era de que as mais de 500 mil operações bancárias de depósito dos salários começassem a ser feitas a partir de 16 horas - e poderiam terminar nesta quarta-feira, 20.

O relato em torno do impasse foi feita pelo secretário de Fazenda, Gustavo Barbosa. A decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 1.ª Região, que derrubou a proibição de terça-feira, saiu na terça-feira por volta de meio-dia.

++PPI mobilizou R$ 142 bilhões em investimentos em 18 meses, diz Moreira Franco

Nesta data, a juíza Maria Gabriela Nuti, da 57.ª Vara do Trabalho do Rio, proibiu o uso das ações da Cedae como garantia para o empréstimo de R$ 2,9 bilhões, em ação movida pelo Sindicato dos Trabalhadores das Empresas de Saneamento Básico e Meio Ambiente do Estado do Rio de Janeiro.

O financiamento, previsto no plano de recuperação firmado pelo Estado com a União, tem aval do Tesouro, que exigiu as ações da Cedae como contragarantia.

A juíza alegou que, segundo a Constituição estadual, funcionários da Cedae teriam prioridade, no caso da privatização, para assumir a empresa em cooperativa. A suspensão da proibição foi decidida pelo presidente do TRT da 1.ª Região, Fernando Antonio Zorzenon da Silva.

Com R$ 2 bilhões do empréstimo depositados, o governo fluminense pagou os atrasados referentes ao 13.º salário de 2016 e ao vencimento de outubro. Além disso, 79.864 servidores ativos da Secretaria de Educação receberão hoje o 13.º de 2017 - os recursos vêm do Fundeb.

++Orçamento da União de 2018 é aprovado com buraco de R$ 21 bilhões

Seguirão atrasados o 13.º salário de 2017 dos demais servidores e o vencimento de novembro de 205.842 ativos, aposentados e pensionistas. Barbosa prometeu pagar o 13.º deste ano para todos ao longo de janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.