Estadão
Estadão

Rombo na Petrobrás motivou reajuste de preço

Foco era a redução do endividamento que elevou a empresa ao posto de petroleira mais endividada do mundo

Fernanda Nunes, O Estado de S.Paulo

26 Maio 2018 | 04h00

RIO- Quando decidiu reajustar diariamente os preços em linha com o mercado internacional, em julho de 2017, a Petrobrás mirou seu caixa. O foco era a redução do endividamento que elevou a empresa ao posto de petroleira mais endividada do mundo. Estratégia que deu certo, com a petroleira registrando um lucro de R$ 6,9 bilhões no primeiro trimestre, o maior trimestral dos últimos cinco anos. 

+ Caminhoneiros descumprem acordo e governo apela às Forças Armadas

Para o consumidor, a recuperação da Petrobrás pesou no bolso quando a cotação do petróleo ganhou fôlego em 2018, após um período de quedas. Pela primeira vez desde 2014, o barril atingiu US$ 80 neste mês. Como consequência, o preço do diesel já subiu 38 vezes desde janeiro. Para a empresa, a alta do petróleo significa uma oportunidade para gerar receita, distribuir dividendos aos acionistas e atingir a meta financeira, ainda que o programa de venda de ativos caminhe devagar. 

O presidente Pedro Parente obedece à máxima de que a Petrobrás deve se comportar como uma produtora como outra qualquer, independentemente da importância estratégia dos combustíveis para o País. Afinal, a estatal compete diretamente com importadores e possui a flexibilidade de atuar em outros países. A lógica é que não há fronteiras no mercado de petróleo. Mas, no Brasil, a realidade é que as altas no preço da estatal surtem efeito no bolso da população e de segmentos da economia que nada têm a ver com o mercado externo. 

Distribuição de diesel é prioridade

Professor do Grupo de Economia da Energia da UFRJ, Helder Queiroz destaca que a alta do petróleo foi o primeiro teste de Parente. “É certo que é preciso acompanhar o mercado internacional. Mas existem várias soluções para isso. Será que essa é realmente a melhor?”, diz.

+ PF chama 20 empresários para depor por suspeita de locaute

Pesa ainda o fato de o maior volume do combustível consumido no País sair das refinarias brasileiras, comandadas pela Petrobrás. No primeiro trimestre deste ano, a empresa produziu 1,67 milhão de barris por dia (bpd) de derivados de petróleo e importou apenas 97 mil. 

+ Presidente da Câmara critica governo e política de preços da Petrobrás

“Se o preço do petróleo não oscilar, oscila o câmbio. A Petrobrás tem de seguir os preços internacionais, mas não precisa ser diariamente. A empresa cobra tanto previsibilidade do governo e não faz o mesmo com os seus consumidores”, criticou um especialista em petróleo que já fez parte do governo e não quis se identificar. 

Mais conteúdo sobre:
Petrobrás combustível greve Caminhão

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.