Carlos Silva/Mapa
Carlos Silva/Mapa

coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Secretaria do Consumidor abre processo contra BRF, Frigorífico Souza Ramos e Peccin

Os frigoríficos responderão por prática de publicidade enganosa e abusiva, por eventuais vícios de qualidade ou quantidade que tornem seus produtos impróprios ou inadequados ao consumo

Luci Ribeiro, O Estado de S.Paulo

10 de maio de 2017 | 08h59

BRASÍLIA - O Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor (DPDC), órgão da Secretaria Nacional do Consumidor do Ministério da Justiça, instaurou processo administrativo contra a BRF, o Frigorífico Souza Ramos e a Peccin Agro Industrial por violação a direitos básicos do consumidor. A Peccin é alvo de 2 processos. A intimação das empresas está publicada no Diário Oficial da União (DOU) desta quarta-feira, 10. Os estabelecimentos têm 10 dias para apresentar defesa.

As três empresas são investigadas pela Operação Carne Fraca da Polícia Federal, deflagrada em março deste ano para desarticular esquema fraudulento que estaria permitindo liberação irregular de carnes sem a fiscalização adequada, além de comércio de carnes com prazo de validade expirado e com a adição de substâncias capazes de representar risco à saúde humana. 

Idec divulga produtos inspecionados na Carne Fraca; veja lista

De acordo com os despachos publicados pelo DPDC, os processos administrativos contra as empresas se dão "ante aparente violação" de dispositivos do Código de Defesa do Consumidor. Os frigoríficos responderão, por exemplo, por prática de publicidade enganosa e abusiva, por eventuais vícios de qualidade ou quantidade que tornem seus produtos impróprios ou inadequados ao consumo e por colocar no mercado de consumo produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes. 

Os quatro processos de hoje se somam às ações que a Senacon já havia tomado logo após a deflagração da Operação Carne Fraca, que atingiu 21 frigoríficos. Ainda em março, o órgão notificou as empresas JBS, BRF, Peccin, Larissa, Mastercarnes e Souza Ramos a esclarecer os fatos e apontar os lotes de produtos adulterados, o tipo de adulteração envolvida, as quantidades, a data de fabricação e a validade dos produtos afetados. Também determinou recall de produtos de três frigoríficos envolvidos no caso - Souza Ramos, Transmeat e Peccin.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.