Secretário da Previdência explicará a reforma do INSS em reunião do PSDB

Secretário da Previdência explicará a reforma do INSS em reunião do PSDB

Marcelo Caetano estará presente na reunião da executiva do partido tucano, onde será decidido se a sigla fecha ou não questão sobre a votação das novas regras do INSS no Congresso

Julia Lindner, O Estado de S.Paulo

06 Dezembro 2017 | 11h01

BRASÍLIA - O secretário da Previdência, Marcelo Caetano, participará na manhã desta quarta-feira, 6, da reunião da Executiva do PSDB, na sede do partido, em Brasília. A informação foi divulgada pela assessoria de imprensa da sigla, que também informou que o relator da Reforma da Previdência na Câmara, deputado Arthur Maia (PPS-BA), estará presente. O objetivo, de acordo com a nota, é "explicar" aos tucanos as principais alterações no projeto.

+ Efeito manada pode garantir votos a favor da reforma da Previdência

Inicialmente, a reunião havia sido marcada para definir se o partido fechará questão sobre a matéria, ou seja, obrigar seus parlamentares a votarem a favor do texto. A expectativa era que a votação no plenário ocorresse hoje, mas, como isso já foi descartado pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), a Executiva do PSDB decidiu adiar a deliberação sobre o tema.

"Não entrará na pauta da reunião de hoje do PSDB o fechamento de questão sobre o tema. Presidente em exercício da sigla, Alberto Goldman explica que esse debate ocorrerá quando houver data marcada para a votação da Reforma, bem como o texto final a ser votado" diz a nota.

+ Centrais sindicais fecham avenida Paulista contra a reforma da Previdência

Ontem, o governador Geraldo Alckmin (SP) esteve reunido com a bancada do PSDB da Câmara e defendeu a aprovação da reforma. Segundo parlamentares que participaram do encontro, ele disse que seria melhor aprovar a matéria o quanto antes, caso contrário o tema acabaria dominando a campanha eleitoral de 2018, o que poderia ser ruim para o partido.

Como informou o Broadcast Político, o governo calcula que faltam 56 votos para alcançar os 308 votos mínimos para aprovar a medida. A expectativa é fechar essa conta até o final da semana para que a proposta comece a ser discutida no plenário na próxima segunda-feira. Para isso, o PSDB, que é o terceiro maior partido da Câmara, é considerado fundamental.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.