Erin Schaff/The New York Times
Erin Schaff/The New York Times

Coluna

Thiago de Aragão: China traça 6 estratégias para pós-covid que afetam EUA e Brasil

Trump sanciona megaplano econômico para combate ao novo coronavírus

Pacote de US$ 2 trilhões pretende resgatar a economia paralisada pela pandemia; número de casos de infectados no país supera os 104 mil, com 1.693 mortes

Michael Mathes, AFP

28 de março de 2020 | 01h17

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, promulgou, na sexta-feira, 27, o plano de resgate de US$ 2 trilhões para resgatar a economia paralisada pela pandemia do novo coronavírus. O número de casos de infectados no país supera os 104 mil, com 1.693 mortes.

A maior iniciativa federal de intervenção econômica da história americana recebeu o sinal verde horas antes na Câmara de Representantes, em um dia em que o país registrou um recorde de 345 óbitos e 18 mil novos casos confirmados em 24 horas. 

"Fomos duramente atingidos pelo inimigo invisível", disse Trump, agradecendo aos democratas e republicanos "por se unirem e colocarem os Estados Unidos em primeiro lugar" e por promoverem uma recuperação na economia do país assim que acabar a luta contra o novo coronavírus. 

A assinatura de Trump encerra a dramática saga de uma semana de negociações no Capitólio e permite que milhões de pessoas afetadas pela desaceleração repentina da atividade econômica recebam cheques de até US$ 3,4 mil por família americana.

A Organização Mundial da Saúde (OMS) teme que os Estados Unidos, onde vivem quase 330 milhões de pessoas, sejam o próximo epicentro da pandemia, declarada em 11 de março após o primeiro caso ter sido registrado em dezembro na China. 

Trump também invocou a Lei de Produção de Defesa, uma regra da Guerra da Coreia, para obrigar a gigante automobilística General Motors a honrar rapidamente seu compromisso de fabricar respiradores, máquinas escassas nos hospitais e cruciais para manter vivos os pacientes com coronavírus gravemente doentes. 

Benefícios do pacote

A lei promulgada por Trump fornece US$ 100 bilhões para hospitais e centros de saúde que precisam de equipamento médico. Além disso, cria fundos de empréstimo de US$ 500 bilhões para grandes corporações, incluindo companhias aéreas, e fornece US$ 377 bilhões em subsídios para pequenas empresas.

Também amplia o seguro-desemprego, uma ajuda que amortecerá o golpe para os impressionantes 3,3 milhões de pessoas que entraram com pedidos do benefício na última semana. 

O texto, adotado pelo voto unânime de todos os senadores (96-0) na noite de quarta-feira, inclui disposições para atender os setores mais afetados pela crise da saúde.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.