Clayton de Souza/Estadão
Clayton de Souza/Estadão

BTG fecha acordo com o FGC para obter crédito de R$ 6 bilhões

Empréstimo dará fôlego à instituição após a prisão de seu ex-presidente, André Esteves, na semana passada; linha de crédito estará disponível a partir desta 6ª feira

Reuters

04 de dezembro de 2015 | 09h55

SÃO PAULO - O BTG Pactual e o Fundo Garantidor de Créditos (FGC) assinaram memorando de entendimentos nesta sexta-feira que dá ao maior banco de investimento independente da América Latina acesso a R$ 6 bilhões em financiamento, dando fôlego à instituição após a prisão de seu ex-presidente, André Esteves, na semana passada.

Em comunicado ao mercado, o BTG Pactual informou que a linha de crédito estará disponível a partir desta sexta-feira. O memorando foi assinado com a interveniência de seus principais acionistas controladores.

O FGC é uma entidade privada, sem fins lucrativos, que administra o mecanismo de proteção aos depositantes e investidores no âmbito do Sistema Financeiro Nacional. O objetivo do FGC é contribuir para a manutenção da estabilidade do sistema financeiro do país e prevenir crises bancárias sistêmicas.

Desde a prisão de seu agora ex-presidente, ex-presidente do Conselho e ex-sócio majoritário, André Esteves, instaurou-se uma crise de imagem e financeira no banco. O BTG tem tentado garantir liquidez vendendo ativos. Até agora, já anunciou a venda de sua fatia na Rede D'Or São Luiz. Além dos ativos de seu vasto portfólio de private equity (que compra participações em empresas para vender depois com lucro), infraestrutura e ativos imobiliários e de florestas, o BTG já ofereceu o BSI, banco suíço gestor de recursos considerado o marco de globalização do BTG, além de seu braço de asset management (gestora de recursos) a outras instituições. 

Investigação. O BTG Pactual também informou que está em processo de entrevistas com escritórios internacionais de advocacia para conduzir uma investigação em relação a vários temas no contexto da prisão de Esteves. Segundo o comunicado, o Conselho pretende criar um comitê que será composto em sua maior parte por membros independentes e irá acompanhar e direcionar a investigação que será feita pelo escritório de advocacia a ser escolhido.

A expectativa é que o escritório seja definido na segunda-feira. "Os membros do Conselho de Administração não irão impor limites à autoridade desse comitê em investigar esses temas e todo tema relacionado que entenda apropriado", disse a instituição financeira no documento.

A instituição informou em comunicado separado que o Banco Central aprovou mudança de controle do BTG Pactual. Na operação, o grupo de sete principais sócios - Marcelo Kalim, Roberto Sallouti, Pérsio Arida, Antonio Carlos "Totó" Porto, James de Oliveira, Renato dos Santos e Guilherme Paes - assumiu o controle do BTG Pactual, substituindo Esteves.

A mudança foi uma tentativa de distanciar a instituição do banqueiro após ele ter sido preso na semana passada acusado de tentar interferir na investigação da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.


Mais conteúdo sobre:
BTGcréditoFGCAndré Esteves

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.