Nacho Doce/Reuters - 2/10/2013
Agência determinou que seja repassado ao consumidor da Oi o direito da portabilidade. Nacho Doce/Reuters - 2/10/2013

Clientes da Oi serão divididos entre TIM, Claro e Vivo; veja qual será sua nova operadora

Os 42 milhões de clientes atuais da Oi serão divididos às concorrentes; Anatel determinou que teles apresentem um plano detalhado sobre como será a transferência dos números

Guilherme Pimenta, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 19h28

BRASÍLIA - O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou nesta quarta-feira, 9, a venda da Oi Móvel para a TIM, Claro e Vivo. Segundo informações prestadas pelas teles ao Cade, os 42 milhões de clientes atuais da Oi serão divididos às concorrentes da seguinte forma:

  • TIM: 14,5 milhões de clientes
  • Claro: 11,7 milhões de clientes
  • Vivo: 10,5 milhões de clientes

Em relação à divisão dos números de telefone, o acordo prevê:

  • 29 DDDs para a TIM: 11, 16, 19, 21, 22, 24, 32, 51, 53, 54, 55, 61, 62, 63, 64, 65, 66, 67, 68, 69, 73, 75, 89, 93, 94, 95, 96, 97 e 99
  • 27 DDDs para a Claro: 13, 14, 15, 17, 18, 27, 28, 31, 33, 34, 35, 37, 38, 43, 44, 45, 46, 47, 48, 49, 71, 74, 77, 79, 87, 91 e 92
  • 11 DDDs para a Vivo: 12, 41, 42, 81, 82, 83, 84, 85, 86, 88 e 98

Na decisão que aprovou a operação, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) determinou que as teles apresentem um plano que detalhe aos clientes da Oi o passo a passo de como será a transferência dos telefones para TIM, Claro e Vivo.

Além disso, a agência determinou que seja repassado ao consumidor o direito da portabilidade, a ausência de cobrança em virtude de quebra de fidelização dos contratos dos usuários de telefonia móvel ou combo da Oi, bem como a disponibilização de canais para eventuais dúvidas.

A agência deve rever a decisão que deu aval à venda da Oi por erros regimentais, mas o mérito da decisão e as recomendações tendem a ser mantidas, segundo membros do órgão ouvidos pelo Estadão/Broadcast, já que a decisão foi unânime.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Cade aprova compra da Oi por Claro, Vivo e TIM com exigências

Os conselheiros favoráveis entenderam que o pacote de remédios negociado com as empresas é suficiente para manter a concorrência no setor de telefonia no País

Lorenna Rodrigues e Guilherme Pimenta, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 15h06

O Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) aprovou, com restrições, a compra da Oi Móvel pela Claro, Vivo e TIM. O aval foi condicionado ao cumprimento de um pacote de medidas acordado com as operadoras, como o aluguel de uma parcela do espectro (faixas de ar por onde passam os dados da comunicação) adquirido no negócio. 

A tendência de aprovação e os "remédios" que seriam adotados para evitar um estrago maior na concorrência foram antecipados pelo Estadão/Broadcast. O julgamento foi marcado pela divisão do conselho e terminou com 3 votos a favor e 3 contra. Foi decidido, então, pelo voto de minerva do presidente, Alexandre Cordeiro, que desempatou o placar. 

O relator do processo, Luis Braido, pediu a reprovação do negócio e foi acompanhado por outros dois conselheiros – Paula Azevedo e Sérgio Ravagnani. Já os conselheiros Lenisa Prado e Luiz Hoffman votaram pela aprovação, assim como o presidente. 

Os conselheiros favoráveis entenderam que o pacote de "remédios" negociado com as empresas é suficiente para manter a concorrência entre as empresas. Os termos do acordo são sigilosos, mas, segundo o Estadão/Broadcast apurou, incluem o aluguel de 10% a 15% do espectro adquirido da Oi, entre outras ações. As empresas também venderão metade das antenas e equipamentos. As empresas já pretendiam vender 30% desses aparelhos, mas aumentaram a oferta na negociação com o Cade. Elas também se comprometeram a alugar uma faixa de 900 Mhz, usada em locais de menor densidade populacional, como áreas rurais. 

“Captura”

Em meio à pressão das empresas e de representantes do governo, o relator chegou a dizer que as negociações “fugiram da boa técnica” e passaram pela “captura do Estado”. Em um duro voto, Braido criticou os termos do acordo que terminou sendo fechado com as empresas e disse que isso impedirá a entrada de novos concorrentes nesse mercado. “Na boa análise antitruste, não há alternativas senão reprovar compra da Oi”, defendeu. 

Ele disse ainda que a acusação feita pelo Ministério Público Federal junto ao Cade de que teria havido conluio no negócio porque as empresas formaram um consórcio para comprar a Oi é “muito grave”, e encaminhou à área técnica pedido de instauração de um processo para aprofundar as investigações. 

A conselheira Paula Azevedo refutou o argumento de que, caso reprove o negócio, o Cade seria responsável pela quebra da Oi e prejudicaria o mercado de telecomunicações. "Operações privadas, ainda que impactem no domínio público, não podem se sobrepor às atribuições dessa autarquia, que é garantir a concorrência”, afirmou. 

Já a conselheira Lenisa Prado, que votou pela aprovação, disse que a reprovação da operação pelo Cade poderia resultar na falência da Oi, e isso poderia ser trazer "consequências desastrosas" para o setor e para a economia brasileira como um todo. “No caso da não conclusão da operação, os ativos vão sair do mercado, prejudicando competição e consumidores", argumentou. 

Nos últimos dias, os conselheiros e as empresas intensificaram as negociações e o acordo final foi firmado na noite de terça-feira, véspera do julgamento. O pacote final avançou em relação à primeira proposta de acordo oferecida pelas empresas à Superintendência-Geral, que previa o aluguel de espectro se houvesse disponibilidade, sem estipular um porcentual obrigatório.

Bastidores do julgamento

Responsável por desempatar o julgamento, o presidente Cordeiro disse que esse foi um dos processos mais difíceis para o Cade nos últimos anos. “Tem mercado que funciona melhor com uma quantidade menor de players. Nesse setor, temos tendência de concentração em todo o mundo”, argumentou. 

No julgamento, o procurador Waldir Alves, do Ministério Público Federal (MPF), voltou a defender a rejeição da venda da Oi para Tim, Claro e Vivo, reforçando os argumentos que haviam sido colocados no fim de semana ao órgão em parecer apresentado por ele, que pediu que o Cade o veto ao negócio.

O advogado da Associação Brasileira das Prestadoras de Serviços de Telecomunicações Competitivas (Telcomp) também pediu, no início da sessão, a reprovação da operação por resultar em um mercado dominado por três empresas.  

Já os representantes das empresas defenderam o negócio e disseram que os “remédios” negociados com o órgão são suficientes para sanar as preocupações concorrenciais da autoridade antitruste. “Se trata do maior remédio já oferecido ao Cade no setor de telecomunicações desde a privatização [da Telebras]. O pacote viabiliza com muita tranquilidade a aprovação do negócio, reforçando a natureza pró-competitiva e a eficiência da operação ”, afirmou o advogado da Vivo, Marcos Paulo Veríssimo.

A advogada da Claro, Barbara Rosenberg, também afirmou que o pacote oferecido pelas empresas é “extremamente robusto” e disse que o negócio foi feito de forma a fortalecer a atuação da empresa com menor participação de mercado em cada região.

O representante jurídico da TIM, José Alexandre Buaiz Neto, disse que os remédios negociados afetam a empresa de maneira “desproporcional”, mas que, mesmo assim, a operação é positiva. O advogado da Oi, Caio Mario, disse que a reprovação traria “consequências desastrosas” para todo o mercado de telefonia móvel.

De 'supertele' à maior recuperção judicial 

Criada para ser a “supertele” nacional, ainda na época do governo Lula, com forte apoio do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), a Oi se enredou em uma série de problemas societários e financeiros, o que a levou a um processo de recuperação judicial em 2016. À época, o processo somava dívidas de R$ 65 bilhões e era o maior já feito no País.

Há mais de cinco anos, a empresa tenta encontrar uma saída para seus problemas financeiros. Depois de várias tentativas de venda frustradas – inclusive para fundos “abutres”, que compram participações em empresas de difícil recuperação –, o fatiamento dos ativos foi a alternativa encontrada.

Tudo o que sabemos sobre:
OitelefoniaVivoTIMClaro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Decisão do Cade sobre venda da Oi Móvel preserva interesse do negócio, diz TIM

Na aquisição da rede móvel da operadora, caberá à TIM o maior desembolso, R$ 7,3 bilhões

Circe Bonatelli, O Estado de S.Paulo

09 de fevereiro de 2022 | 19h22

Os termos da aprovação da venda da Oi Móvel em julgamento hoje do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) foram considerados positivos pela TIM. A operadora publicou uma nota afirmando que "a decisão de aprovação preserva o interesse do negócio e da sociedade", bem como garante "a manutenção do ecossistema de competição e investimentos necessários para o desenvolvimento" do setor, segundo palavras atribuídas ao CEO, Alberto Griselli. 

A declaração indica que a compra da rede móvel da Oi permaneceu atraente, em termos financeiros, a despeito do aumento das condicionantes definidas pelo Cade nas últimas reuniões. Griselli disse ainda, em nota, que a TIM está preparada para assumir a maior parte dos ativos móveis da Oi, em caráter definitivo, após mais de um ano de espera para o julgamento pelo órgão antitruste.

A venda da Oi Móvel ocorreu por meio de leilão realizado em dezembro de 2020, quando TIM, Vivo e Claro saíram vencedoras com um lance de R$ 16,5 bilhões.  Caberá à TIM o maior desembolso pela compra da Oi Móvel. Ela pagará R$ 7,3 bilhões (44% do total).

Além da maior parte dos clientes, a TIM é a empresa que receberá a maior parte das radiofrequências da Oi Móvel. "A retomada de eficiência e produtividade desses ativos móveis, combinada com a chegada da tecnologia 5G, vai permitir a aceleração tecnológica de um setor estratégico para a economia, com efeitos benéficos pelas próximas décadas", completou Griselli.

Sem citar nomes, o comunicado referiu-se ainda ao fato de que o dinheiro da venda das redes móveis ajudará a Oi a investir na expansão das suas redes de fibra ótica - a maior do tipo no Brasil. 

"A solução encontrada pelas autoridades traz um ganho adicional de alta relevância, ao permitir que progrida a instalação de uma rede neutra nacional de fibra, infraestrutura decisiva para o desenvolvimento do setor e do país", descreve a nota.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.