Fábio Motta/Estadão
Fábio Motta/Estadão

Gol fará aumento de capital de até R$ 2,8 bi, incluindo R$ 948 milhões da American Airlines

Operação ocorre no contexto de acordo comercial entre a companhia brasileira e a americana, que passará a deter uma fatia de pouco mais de 5% da Gol

Beth Moreira, Juliana Estigarríbia e Luísa Laval, O Estado de S.Paulo

08 de abril de 2022 | 13h38

O conselho de administração da Gol Linhas Aéreas Inteligentes aprovou nesta sexta-feira, 8, um aumento de capital no montante de, no mínimo, R$ 948,3 milhões e, no máximo, R$ 2,8 bilhões, com a emissão de até 67,3 milhões ações preferenciais. O preço de emissão por ação preferencial será de R$ 42,67, com base no preço da cotação de fechamento das ações na B3 dos últimos 60 pregões, acrescido de um ágio de 257,36%.

A operação ocorre diante do acordo de cooperação comercial firmado em fevereiro com a American Airlines, que previa o aumento de capital. No contexto da operação, a American Airlines assumiu o compromisso de investir US$ 200 milhões (R$948,3 milhões) na Gol, além de fazer parcerias em compartilhamento de voos e em programas de milhagens.

Ao fim da operação, a participação da American Airlines corresponderá a uma participação de aproximadamente 5,3% na Gol. Segundo a companhia aérea, o aumento de capital tem como objetivo fortalecer a estrutura de capital da companhia.

O valor total do aumento de capital da Gol vai depender de adesões além da American Airlines, que já garantiu o valor mínimo de R$ 948,3 milhões. Os atuais acionistas da companhia terão direito de preferência na compra de novos papéis. O prazo de exercício do direito de preferência será de 30 dias, contados a partir de 13 de abril. 

Diluição de acionistas

Para o analista da Mirae Asset, Pedro Galdi, a subscrição pode levar a uma diluição dos atuais acionistas. “Considerando que a Gol foi fortemente impactada pela pandemia, captações como esta são importantes e abrem a porta para a entrada de novos sócios”, avalia. Já Rodrigo Crespi, da Guide, acredita que a diluição não deve ser grande. “O preço de emissão é bastante alto.”

Mais cedo, os analistas do Goldman Sachs Bruno Amorim, João Frizo e Guilherme Costa Martins escreveram em relatório que, embora os acionistas tenham direito de preferência para subscrever as novas ações, é “improvável que outros investidores participem, dado o prêmio em relação aos preços atuais.”

Para os analistas do Goldman, o efeito da operação é neutro para a aérea:  "Continuamos com recomendação de compra para a Gol, mas reconhecemos que o recente aumento nos preços dos combustíveis pode levar a uma pressão de curto prazo sobre as margens, embora acreditemos que as companhias aéreas de prazo mais longo sejam capazes de repassar esses preços mais altos para as tarifas", escreveram.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.