Reuters
Reuters

Mais de R$ 1 bi do abono do PIS/Pasep está disponível para saque, diz governo

Quase um milhão e meio de brasileiros ainda não sacou os recursos do abono salarial do PIS/Pasep referentes ao ano de 2015; saque pode ser realizado até dia 28 de dezembro

Caio Rinaldi, O Estado de S.Paulo

20 Outubro 2017 | 19h31

Quase um milhão e meio de brasileiros ainda não sacou os recursos do abono salarial do PIS/Pasep referentes ao ano de 2015. A soma dos valores chega a pouco mais de R$ 1 bilhão parados na Caixa Econômica Federal ou no Banco do Brasil (BB), relatou o Ministério do Trabalho. O saque pode ser realizado até dia 28 de dezembro e não há previsão de prorrogação do prazo.

++Começou nesta quinta-feira saque do PIS/Pasep para pessoas com mais de 70 anos

Têm direito aos recursos os profissionais que trabalharam formalmente por um período mínimo de 30 dias em 2015 e cujo salário médio foi igual ou inferior a dois salários mínimos na época. O Ministério do Trabalho aponta que os saques podem variar de R$ 79 a R$ 937. Na média, cada trabalhador poderá sacar R$ 696,69, mas vale lembrar que o valor disponível é proporcional ao período trabalhado.

++Governo avalia 2ª rodada de saque do PIS/Pasep

++Sem FGTS, varejo recua 0,5% em agosto

Também é necessário estar inscrito no PIS/Pasep por, ao menos, cinco anos e estar corretamente inscrito na Relação Anual de Informações Sociais (Rais). "Nós disponibilizamos no site do Ministério do Trabalho a lista com os nomes de todos os trabalhadores com direito ao abono de 2015 e que ainda não sacaram o dinheiro. O trabalhador pode consultar essa lista. Se o nome dele estiver lá, basta dirigir-se ao banco e fazer o saque", explicou em nota o chefe de divisão do Abono Salarial do Ministério do Trabalho, Márcio Ubiratan.

Funcionários públicos também podem fazer a consulta diretamente no BB, enquanto profissionais do setor privado podem conferir os recursos na Caixa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.