Estadão
Estadão

Gás de cozinha vai ficar mais caro a partir desta quarta-feira

Petrobrás reajustou botijão em 12,9% nas refinarias e, segundo distribuidores, impacto pode ser de até 15% para o consumidor final

Denise Luna, O Estado de S.Paulo

10 Outubro 2017 | 15h16

RIO - O gás de cozinha vai ficar mais caro a partir da zero hora desta quarta-feira, 11. A Petrobrás anunciou que vai aumentar em 12,9% o GLP vendido em botijões de até 13 kg.

++Após furacão Nate, 85% da produção de petróleo do Golfo dos EUA está inativa

"O porcentual de reajuste foi calculado de acordo com a política de preços divulgada em junho e reflete, principalmente, a variação das cotações do produto no mercado internacional", informou a estatal, em comunicado.

++Casa Branca reduz regulação ambiental de usinas elétricas e exalta uso de carvão

Segundo a empresa, o aumento ao consumidor dependerá do repasse das distribuidoras e revendedores, mas, se o aumento for repassado integralmente, a estimativa é de que o preço do botijão possa ser reajustado, em média, em 5,1% ou cerca de R$ 3,09 cada.

"Isso se forem mantidas as margens de distribuição e de revenda e as alíquotas de tributos", explicou a companhia.

++Mais duas pessoas que ajudaram no resgate em creche de Janaúba são internadas

No entanto, para o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Gás Liquefeito de Petróleo (Sindigás), o aumento do preço divulgado pela Petrobrás nas refinarias pode impactar em bem mais no bolso do consumidor: entre 7,8% e 15,4% de reajuste, dependendo do local do suprimento.

++Otimismo com retomada da economia põe votação de reformas em risco

A entidade afirmou que a correção aplicada não repassa integralmente a variação de preços do mercado internacional e, com isso, o combustível registra uma defasagem de 6,08% em relação ao preço do produto importado.

De acordo com o Sindigás, essa defasagem inibe investimentos privados em infraestrutura no setor de abastecimento.

Mais conteúdo sobre:
Petrobrás Glp

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.