Ueslei Marcelino/Reuters
As tarifas de energia são reajustadas no "aniversário" de contrato de cada distribuidora e os porcentuais estabelecidos são diferentes. Ueslei Marcelino/Reuters

Energia ficou mais cara em média 7% este ano e deve aumentar quase 17% em 2022; veja onde mais subiu

Reajuste médio considera o aumento nas tarifas de 30 concessionárias que atendem 16 Estados; com a crise hídrica, a bandeira tarifária mais cara também pesou na conta de luz dos consumidores residenciais

Marlla Sabino, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2021 | 10h00

BRASÍLIA - Os brasileiros sentiram no bolso o aumento da conta de luz nos últimos meses. A grave crise hídrica neste ano deixou a energia mais cara, devido à cobrança de taxa adicional para fazer frente ao custo das térmicas, mas os reajustes anuais também pesaram. Desde o início do ano, as tarifas de energia dos consumidores residenciais subiram, em média, 7,15%. E a tendência é de piora. Cálculos preliminares da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) apontam que as tarifas podem subir, em média, 16,68% no ano que vem, quando o presidente Jair Bolsonaro pode concorrer à reeleição.

A Aneel já atualizou os preços das tarifas de 30 concessionárias de distribuição de energia, que atendem 16 Estados. Consumidores de alguns municípios de São Paulo, Minas Gerais e Paraná, atendidos pela Energisa Sul Sudeste tiveram o reajuste mais alto até o momento: 11,29%. Já moradores atendidos pela Cemig, em Minas Gerais, e pela Sulgipe, que atende municípios em Sergipe e na Bahia, não tiveram reajustes neste ano ou as contas ficaram ligeiramente mais baratas, respectivamente.

 


Entre os principais fatores para a alta das tarifas estão os custos com encargos setoriais, despesas com compra e transporte de energia, efeitos do IGP-M, já que diversas distribuidoras têm contratos atrelados ao índice de preços, e o câmbio.

Ainda que acentuados, sobretudo em um momento em que a conta já está pressionada pelos custos das térmicas, os reajustes poderiam ter sido maiores. Para amenizar os efeitos, a Aneel aprovou um pacote de medidas para "segurar" os reajustes - e já estuda fazer o mesmo em 2022. 

Entre as ações estão o abatimento de créditos tributários cobrados indevidamente dos consumidores, o adiamento do pagamento de indenizações às transmissoras e de remuneração das distribuidoras e o uso de recursos que seriam destinados a programas de pesquisa e desenvolvimento (P&D) e de eficiência energética não usados para abater encargos.

Em audiência pública na Câmara na semana passada, o superintendente de Gestão Tarifária da agência reguladora, Davi Antunes Lima, explicou que a previsão inicial de aumento de custos em 2021, por causa de efeitos da pandemia e aumento dos custos da energia, era de R$ 29,57 bilhões - o que resultaria em reajustes na faixa de 18%. Com as medidas, os custos foram reduzidos para R$ 18,83 bilhões. "A Aneel é muito sensível em relação à tarifa de energia elétrica. Fazemos esforços muito grandes para tentar atenuar esses impactos tarifários", disse aos deputados.

Embora as medidas tenham aliviado os reajustes, "empurrar" as despesas pode levar a conta a disparar nos próximos anos. "A Aneel ficar jogando para frente uma série de aumentos como tem acontecido neste ano, desde maio, não é bom, engana o consumidor, que paga menos por algo que sabidamente custa mais caro. Dada a crise atual, temos praticamente mais de 20% de reajuste contratado se a crise continuar como está", avaliou o ex-diretor da agência Edvaldo Santana.

O coordenador do Programa de Energia e Sustentabilidade do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), Clauber Leite, afirmou que o alívio neste momento é positivo e um "alento" para a população, já que o custo da energia tem uma representatividade alta para as famílias mais pobres. Ele defende, no entanto, que sejam estudadas medidas para que, de fato, haja uma redução nas contas e não postergações de custos e que não impliquem em um aumento excessivo posteriormente.

"Por exemplo, a quantidade de ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) que é cobrado. É um dos grandes custos das tarifas, é cobrado sobre os encargos, sobre a bandeira, é uma arrecadação que o consumidor fica em uma posição de que não tem muito o que fazer, o que acontece é uma diminuição do poder de compra", afirmou.

Porcentuais diferentes de reajuste

As tarifas de energia são reajustadas caso a caso no "aniversário" de contrato de cada distribuidora e os porcentuais estabelecidos são diferentes. Diversos fatores são considerados para definição do valor: os custos das geração, transmissão, encargos e até perdas técnicas ou não técnicas - conhecidos popularmente como "gatos". O resultado traz porcentuais diferentes também para cada tipo de consumidor, ou seja, reajuste em um patamar para os ligados à alta tensão, como as grandes indústrias, em outro para os conectados na baixa tensão, como os comércios e residências.

Em alguns Estados as tarifas de energia ainda não foram corrigidas neste ano, mas serão. A estimativa da TR Soluções, empresa de tecnologia especializada em tarifas de energia, é que o reajuste para tarifas residencial feche o ano em 9,7% - a previsão no início de ano era de elevação média de 17,1%. Para o diretor de regulação, Helder Sousa, as medidas aplicadas são boas pelo ponto de vista social, mas podem comprometer a previsibilidade para empresas que operam no setor elétrico. "As empresas fazem uma gestão financeira e tem um planejamento com determinada referência, e perder isso, pois não sabe quanto cada uma vai ter de revisão, não é tão bom", afirmou.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Medidas para 'aliviar' reajustes na conta de luz podem provocar 'tarifaço' nos próximos anos

Com a estimativa de aumento médio de 16,68% nas tarifas no ano que vem, o Ministério de Minas e Energia admitiu que busca medidas para segurar as tarifas em 2022

Marlla Sabino e Anne Warth, O Estado de S.Paulo

23 de agosto de 2021 | 10h00

BRASÍLIA - A estimativa de reajuste médio de 16,68% nas tarifas de energia elétrica em 2022 levou o Ministério de Minas e Energia (MME) a admitir que busca medidas para segurar as tarifas no próximo ano. A postura demonstra que o governo não quer conviver com o risco de reajustes tão altos na conta de luz, sobretudo quando paira sobre o País o risco de racionamento de energia e apagão. A avaliação de ex-diretores da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) é que adiar despesas pode levar a conta a explodir nos próximos anos.

Segundo a pasta, entre as medidas estudadas estão a devolução aos consumidores de créditos tributários gerados por decisões judiciais que excluíram o ICMS da base de cálculo do PIS/Cofins na conta de luz, o que já vem sendo feito ao longo deste ano, a redução do serviço da dívida da Itaipu, prevista para se iniciar em 2022 e a antecipação de um "valor expressivo" dos recursos da privatização da Eletrobras para abater nas tarifas. De acordo com a Aneel, esse aporte pode somar R$ 5 bilhões. 

 

 

A Aneel também analisa adiar novamente o pagamento da parcela de remuneração de distribuidoras. Neste ano, a agência já havia adiado o pagamento de indenizações às transmissoras.

Para o ex-diretor-geral da agência Nelson Hubner, mesmo que o adiamento dos pagamentos leve as distribuidoras a algumas perdas, já que precisam buscar recursos mais "caros" no mercado, não há problemas em fazer quando não há perspectivas de aumentos significativos nas tarifas de energia no futuro. O que não é o caso.

"Quando há um cenário de aumento tarifário no futuro, como o que temos, é o pior dos mundos, porque soma o valor diferido [reajustes não dados antes] com os impactos das ações para não ter racionamento, como a geração térmica atual, contratação de térmicas emergenciais, como o MME vem sinalizando. Se agora, sem contratar novas térmicas, só com a geração atual, a tarifa já vai subir, com diferimentos e térmicas emergenciais contratadas, vai explodir", afirmou.

Para o ex-diretor Edvaldo Santana, a estimativa de reajuste médio de quase 17% da Aneel é otimista. Para ele, a correção deve ficar na casa dos 20% ou ultrapassar. "E complica porque é ano eleitoral. A chance de tudo isso ser jogado mais para frente é muito grande e pode gerar desalinhamentos tarifários com perspectiva de caos, pois uma hora isso terá de ser aplicado", afirmou.

Ele compara a situação com o primeiro ciclo de revisão tarifária, de 2002 a 2005, quando os reajustes verificados foram de 30% a 40%. Santana lembra que a decisão foi parcelar os reajustes. O resultado veio em 2007, com a criação da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) das tarifas. "Gerou um sentimento de que o aumento era injusto. Isso é uma das consequências do desalinhamento tarifário: chega o ano que vem seria 20%, mas dão metade e a outra metade em 2023, e ficam carregando dívida em cima de dívida, quase que num cheque especial", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.