Felipe Rau/ Estadão
Felipe Rau/ Estadão

Faltas de professores e alunos nas escolas estaduais serão desconsideradas

Secretaria Estadual de Educação orientou diretorias de ensino a oferecer compensação de ausência; universidades e outras redes de ensino suspenderam aulas por causa da greve dos caminhoneiros

Isabela Palhares, O Estado de S.Paulo

27 Maio 2018 | 18h36

SÃO PAULO - A Secretaria Estadual de Educação orientou as diretorias de ensino a não considerar as faltas de professores e alunos nesta segunda-feira, 28, por causa dos reflexos da greve dos caminhoneiros. Elas devem oferecer a opção de compensação de ausência, caso necessário.

Segundo a secretaria, o abastecimento de alimentos das escolas está normalizado, mas as diretorias de ensino devem "se adequar" à realidade dos municípios. A secretaria diz ainda que todo o conteúdo perdido deverá ser reposto. 

+ AO VIVO: Acompanhe o quinto dia de greve em tempo real

Em outros Estados, as aulas da rede pública também foram suspensas. É o caso da rede estadual de Minas Gerais, que já havia suspendido as aulas na sexta-feira, 25. Em Santa Catarina, das 1.073 escolas públicas, 80 não terão aulas regulares em razão da falta de combustível para o transporte escolar ou por dificuldades no fornecimento de alimentação.

+++ Governo pede prisão de empresários para tentar pôr fim à greve de caminhoneiros

Algumas universidades também anunciaram a suspensão das atividades acadêmicas, como a Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Estadual (Udesc) e as particulares Estácio de Sá e Univali.

Na sexta-feira, 25, ao menos 11 universidades públicas também suspenderam parcial ou totalmente as atividades acadêmicas e administrativas. Em oito instituições, as aulas foram canceladas e em outras duas, a reitoria recomendou que os professores não aplicassem atividades de avaliação. 

Greve dos Caminhoneiros AO VIVO

Acompanhe aqui outras notícias sobre a greve dos caminhoneiros minuto a minuto.

 

Mais conteúdo sobre:
professor escola greve caminhoneiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.