Gabriela Biló/Estadão - 2/10/2020
Paulo Guedes quer um limite de R$ 66 mil para pagar precatórios. Gabriela Biló/Estadão - 2/10/2020

Mercado vê risco fiscal após proposta de Guedes para parcelar precatórios

Ao defender o parcelamento de dívidas da União já definidas pela Justiça, ministro deixa investidores e analistas ainda mais apreensivos com a pressão que as ambições eleitorais de Bolsonaro vêm exercendo sobre o teto de gastos

Fabrício de Castro e Francisco Carlos de Assis, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2021 | 05h00
Atualizado 04 de agosto de 2021 | 07h42

BRASÍLIA e SÃO PAULO - Para defender o pagamento parcelado e refutar a percepção de calote nos precatórios – valores devidos após sentença definitiva na Justiça –, o ministro da Economia, Paulo Guedes, usou na terça-feira, 3, uma expressão popular. “Devo, não nego; pagarei assim que puder”, disse. As palavras, em vez de acalmar investidores, ampliaram os temores, e o dólar subiu 0,53%.

Guedes defendeu a proposta desenhada pelo governo, de honrar de imediato apenas os precatórios de até R$ 66 mil, como antecipou o Estadão.

A ideia é criar uma regra transitória até 2029 que vai atrelar o pagamento dessas dívidas. No total, tudo terá de ficar limitado a 2,6% da receita corrente líquida. Sempre que ultrapassar esse porcentual, os precatórios até 60 salários mínimos ficarão a salvo de parcelamento (R$ 66 mil), mas os maiores poderão ser pagos em prestação. Em 2022 isso atingiria aqueles acima de R$ 455 mil.

Os precatórios superiores a R$ 66 milhões entrariam numa regra permanente: já nasceriam parcelados em até 10 anos, sendo 15% do total no primeiro ano. 

A fala do ministro reavivou os temores de deterioração das contas públicas. Os receios dos investidores são alimentados pelo debate sobre o pagamento de precatórios e sobre o reajuste do Bolsa Família – sob a perspectiva de o governo rever o teto de gastos, com ambições eleitorais. Ambas as discussões pautaram os negócios no mercado de câmbio no pregão de terça-feira, em mais um dia de volatilidade. Na maior parte do pregão, a moeda operou acima de R$ 5,20, chegou a R$ 5,2746 e fechou o dia a R$ 5,1927.

“No momento, vivemos ainda auxílio emergencial mais baixo, mas estamos aqui ultimando esforços e estudos no sentido de dar aumento de, no mínimo, 50% para o Bolsa Família, podendo chegar até 100% em média”, prometeu nesta terça o presidente Jair Bolsonaro, em entrevista à TV Asa Branca, de Pernambuco. Hoje, o valor médio do Bolsa Família é de R$ 190.

Em relatório assinado pelos economistas Fabio Ramos e Alexandre de Azara, do UBS BB, a instituição observa que o “debate sobre o Orçamento para 2022 começou no Brasil e, apesar da desaceleração da pandemia e de menos ruído político, a discussão sobre desembolsos em ano eleitoral está ficando mais quente, rapidamente”.

O texto chama a atenção para a “surpresa negativa que caiu em nosso colo”, quando Guedes comparou a um “meteoro” a possibilidade de um grande aumento de desembolsos para saldar precatórios, de cerca de R$ 90 bilhões em 2022, ante projeção de R$ 45 bilhões se mantido o ritmo de anos anteriores. 

Para Alexandre Netto, da Acqua-Vero Investimentos, o encaminhamento da questão dos precatórios e o desejo de aumento do Bolsa Família acima do que permite o teto atual passam a sensação de um governo “displicente” com a questão fiscal. E o risco de deterioração das contas públicas deve aumentar cada vez mais, à medida que se aproximam as eleições de 2022. “Bolsonaro parece disposto a sacrificar o fiscal se for para garantir a sua reeleição, enquanto Lula já disse que vai acabar com o teto de gastos. Isso tudo pressiona a moeda”, diz.

O diretor da NGO Corretora de Câmbio, Sidnei Nehme, diz que os “sinais internos sugerem que a cena política fará os fundamentos econômicos sucumbirem”, o que aumenta a volatilidade e impede que a taxa de câmbio vá para um nível compatível com os juros internos.

Mudança de regras

De acordo com a assessoria do Ministério da Economia, do total de 264.717 precatórios a serem pagos em 2022, 8.818 seriam parcelados (os acima de R$ 455 mil) caso a proposta com essas regras seja aprovada, o que representa 3% do total. Juntos, representam 63,3% do valor total devido pela União. 

A expectativa do governo é que a mudança resulte em economia de R$ 41,5 bilhões. /LUÍS EDUARDO LEAL, ANTONIO PEREZ E MAIARA SANTIAGO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Estados articulam ofensiva para barrar proposta de parcelamento de precatórios

De R$ 89 bilhões em dívidas do gênero previstas no Orçamento, pelo menos R$ 16,6 bilhões têm governos estaduais como credores; eles alegam interesse eleitoral de Bolsonaro com o parcelamento

Adriana Fernandes e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

04 de agosto de 2021 | 05h00

BRASÍLIA - Os Estados se mobilizam numa ofensiva no Congresso para evitar o parcelamento dos precatórios devidos pela União, medida defendida pela equipe econômica para garantir a ampliação do programa Bolsa Família no ano que vem. Dos R$ 89 bilhões em dívidas judiciais previstos para o Orçamento de 2022, pelo menos R$ 16,6 bilhões têm governos estaduais como credores.

Para os Estados, a PEC dos precatórios e o projeto que altera o Imposto de Renda são duas frentes lançadas pelo governo federal que fragilizam as contas dos governos regionais, com perda de arrecadação.

Por trás desse imbróglio, há um cálculo político do governo de não querer encher o caixa de governadores adversários do presidente Jair Bolsonaro em ano de eleição, sobretudo no Nordeste. Integrantes do governo têm lançado a suspeita de que o valor elevado faria parte de uma conspiração política do Judiciário para beneficiar esses opositores do presidente.

Parlamentares que admitem resistências à medida relembram que o próprio ministro da Economia, Paulo Guedes, é defensor do lema “menos Brasília, mais Brasil”, com mais recursos na ponta. Para esse grupo, barrar o pagamento integral dos precatórios aos Estados vai contra o “pacto federativo” apregoado pelo próprio chefe da equipe econômica.

A maior parte do dinheiro devido aos Estados vem de uma decisão do Supremo Tribunal Federal (STF) que condenou a União a ressarci-los pelo cálculo incorreto do Fundef, fundo para o desenvolvimento do ensino fundamental e valorização do magistério que vigorou até 2006. Para 2022, foram expedidos precatórios para Bahia (R$ 8,767 bilhões), Pernambuco (R$ 3,952 bilhões), Ceará (R$ 2,655 bilhões) e Amazonas (R$ 219,4 milhões).

Outros Estados têm valores a receber, mas ainda não foram contemplados. Estão na fila Maranhão, pendente de recurso, e Pará, que não obteve a expedição de precatório para 2022.

O secretário da Fazenda do Estado de Pernambuco, Décio Padilha, disse ao Estadão que o parcelamento não vai prejudicar só aqueles Estados e municípios que têm a receber precatórios agora, mas todos que estão na fila para receber nos próximos anos ou ganharem sentenças no futuro. Ele integra o Comitê de Secretários Estaduais de Fazenda (Comsefaz) e observou que o debate do parcelamento de precatórios se soma ao impasse na discussão do projeto que muda o Imposto de Renda.

“O apelo que o Comsefaz faz é para que os deputados e senadores olhem com muita cautela os impactos que podem ocorrer para não criarem um colapso financeiro nas unidades subnacionais”, pondera o secretário. Para ele, o objetivo do governo com a PEC é claramente é abrir espaço fiscal para o novo Bolsa Família – medida que é uma peça-chave no plano de reeleição do presidente Jair Bolsonaro.

O presidente prometeu elevar o benefício médio do Bolsa Família para um patamar próximo a R$ 300 e já há movimentação política para tentar subir ainda mais, a R$ 400. Hoje, esse valor fica em torno de R$ 190.

Antevendo resistências, lideranças do Centrão – bloco que dá sustentação política a Bolsonaro no Congresso Nacional – tentam emplacar a narrativa de que ninguém vai querer votar contra o aumento de recursos para o programa social depois da pandemia da covid-19. No entanto, parlamentares ouvidos pelo Estadão/Broadcast reconhecem que o tema é delicado.

O deputado Julio Cesar (PSD-PI), coordenador da bancada do Nordeste, diz que a medida não é boa para Estados e municípios e muitas prefeituras já contam com recursos de precatórios a receber da União. “Queremos que seja mantido o atual critério”, afirma, cobrando o pagamento à vista das dívidas judiciais.

O deputado Silvio Costa Filho (Republicanos-PE) afirma que seu Estado é um dos que têm recursos vultosos a receber em precatórios e reconhece que o tema é delicado. “Vai haver de fato uma resistência, não vai ser uma matéria fácil de avançar, não”, diz.

Aliado do governo, o deputado Claudio Cajado (PP-BA) afirma que o problema tem que ser enfrentado “como um todo”, dada a restrição de espaço no teto de gastos (a regra que limita o avanço das despesas à inflação). “Não adianta querer especificar em Estados e municípios”, diz. Dentro da ala política do governo, também há a avaliação de que as resistências podem diminuir se funcionar a narrativa de que a PEC viabiliza o novo Bolsa Família.

Acordo

Os Estados beneficiados com a decisão do STF alegam que tentam um acordo com o governo federal há mais de quatro anos, inclusive para reduzir o valor total e parcelar o pagamento dos recursos. O governador de Pernambuco, Paulo Câmara, divulgou uma nota para reforçar que a Justiça corrigiu um prejuízo histórico e que os recursos serão importantes para investir na educação, sobretudo no período pós pandemia.

Segundo apurou o Estadão/Broadcast, a cultura de acordos judiciais passou a ser disseminada apenas muito recentemente. Procuradores e advogados da União argumentavam não poder dispor do “interesse público” e reconhecer que o contribuinte autor da ação judicial tinha razão, mesmo que apenas em parte. Com isso, segundo explica uma fonte, o governo sempre levou as ações “até às últimas consequências”, o que não só concentra os passivos mas também eleva os valores envolvidos.

Por isso, dentro e fora do governo há uma avaliação de que a AGU dormiu no ponto e "cochilou" até mesmo em prazos e procedimentos, mesmo num quadro em que os auditores recebem honorários de sucumbência – uma espécie de bônus por eficiência.

Cobrada por erros na condução dos processos, a Advocacia-Geral da União (AGU) saiu em defesa da atuação de seus integrantes. Em nota, ponderou que não houve qualquer atuação sua que pudesse ser considerada aquém daquela necessária a garantir a mais adequada e correta defesa judicial da União e de suas autarquias e fundações públicas federais.

Pelos cálculos do pesquisador do Insper, Marcos Mendes, os pagamentos de sentenças judiciais pelo governo federal tiveram crescimento real de 110% de 2013 a 2021. “Mesmo em 2013, quando somava R$ 25,6 bilhões em valores atuais, essa despesa já deveria ter entrado no radar da gestão fiscal. Mas nenhuma providência relevante parece ter sido tomada para mudar a situação”, relata em nota técnica divulgada sobre o tema. Na sua avaliação, o problema principal está no fato de que o processo de decisão é descentralizado e fragmentado em diversas instâncias do Judiciário. Somente às vésperas da elaboração do Orçamento há um diagnóstico mais preciso do valor agregado.

Mendes vê grande risco de a PEC do parcelamento levar a União a repetir o padrão de Estados e municípios, que passaram a usar o atraso persistente no pagamento de precatórios como um instrumento de financiamento. Ele lembra que, desde a promulgação da Constituição, já foram aprovadas cinco emendas constitucionais para facilitar ou parcelar o pagamento de precatórios dos governos regionais.

“É grande o risco de essa providência colocar o governo federal em situação de restrição orçamentária fraca, com brecha para expandir despesas sem fazer o dever de casa de bem administrar a sua defesa jurídica”, critica Mendes. Ele acrescenta que isso será ainda mais verdadeiro se esse pagamento for retirado do teto de gastos. Nesse cenário, diz ele, haverá incentivos a deixar acumular passivos para poder gastar mais sem computar a despesa no limite de despesas.

Para o ex-presidente da Câmara Rodrigo Maia, o problema do governo com os precatórios mostra incompetência e falta de capacidade do governo de se organizar. Na sua avaliação, o governo poderia ter apresentado um embargo, uma espécie de recurso judicial, o que daria mais tempo para negociar com os governadores.

Tudo o que sabemos sobre:
precatório judicial

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.