André Dusek|Estadão
André Dusek|Estadão

Executivo mais bem pago do Brasil recebeu R$ 60 mi em 2017, diz CVM

Murilo Ferreira foi desligado em fevereiro de 2017 da função de presidente da Vale; companhias abertas foram obrigadas a informar remuneração de diretores e conselheiros à CVM

Renata Batista, O Estado de S.Paulo

26 Junho 2018 | 16h14

RIO - O executivo mais bem pago do País em 2017 foi Murilo Ferreira, ex-presidente da Vale. Desligado da empresa em fevereiro de 2017, ele recebeu quase R$ 60 milhões no ano, conforme informações divulgadas na noite de segunda-feira, 25, pela companhia.

+ CVM pode punir empresa que não divulga remuneração de executivos

Mesmo descontados os adicionais relacionados ao chamado pacote de saída, que representam quase dois terços do total pago a Ferreira, a Vale pagou a segunda maior remuneração do país. Nos últimos três anos, o montante pago pela mineradora a Ferreira só foi menor que os R$ 72,9 milhões pagos pelo Itaú Unibanco em 2016.

O Itaú é o que tem a maior remuneração, mas também onde ela mais varia de um ano para o outro. Em 2016, o maior salário anual no banco foi de R$ 72 milhões, quase 80% maior que o informado para 2016. Mesmo assim, comparado a outras instituições do mesmo porte, o executivo mais bem pago do Itaú recebeu quase três vezes mais que o do Bradesco, que faturou R$ 15,9 milhões no ano, e 23 vezes mais que o do Banco do Brasil.

+ Conselheiro da Engie no colegiado da Eletrobrás pode prejudicar privatização

Entre as empresas mais representativas do Ibovespa, apenas o Bradesco remunera melhor os conselheiros do que os diretores. A remuneração máxima do conselho superou em mais de R$ 1 milhão a do diretor mais bem pago. Na média, a remuneração anual dos conselheiros foi quase 50% maior que a dos executivos que tocam a empresa no dia a dia.

As informações estão disponíveis desde segunda no Formulário de Referência das companhias, disponível no site da Comissão de Valores Mobiliários (CVM). Depois de quase uma década de disputas judiciais, a autarquia conseguiu derrubar a liminar que permitia a um grupo de empresas, entre as quais Vale, Bradesco e Itaú, não dar transparência as informações nos termos do Anexo 24 da Instrução CVM 480/09.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.